Novidades na exclusão do ICMS da base de cálculo PIS/COFINS

Andressa-Akemi-Saizaki

Andressa Saizaki

Head da área de direito tributário

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Direito Tributário

No dia 23/10/2018, foi publicada a Solução de Consulta Interna COSIT de nº 13/2018, com informações para fins de cumprimento de decisões judiciais favoráveis transitadas em julgado sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Pasep e COFINS. A Receita Federal firmou alguns entendimentos para operacionalizar o levantamento dos créditos por estes contribuintes:

i) O montante a ser excluído da base de cálculo da Contribuição para o PIS/COFINS é o valor mensal do ICMS a recolher;

ii) Considerando que na determinação da Contribuição para o PIS/Pasep do período a pessoa jurídica apura e escritura de forma segregada cada base de cálculo mensal, conforme o Código de Situação tributária (CST) previsto na legislação da contribuição, é necessário segregar o montante mensal do ICMS a recolher, para fins de identificar a parcela do ICMS a se excluir em cada uma das bases de cálculo mensal da contribuição;

iii) A segregação do ICMS mensal a recolher, para fins de exclusão do valor proporcional do ICMS em cada uma das bases de cálculo da contribuição, será determinada com base na relação percentual existente entre a receita bruta referente a cada um dos tratamentos tributários (CST) da contribuição e a receita bruta total, auferidas em cada mês;

iv) Para proceder ao levantamento dos valores de ICMS a recolher, apurados e escriturados pela pessoa jurídica, deve-se preferencialmente considerar os valores escriturados por esta, na escrituração fiscal digital do ICMS e do IPI (EFD-ICMS/IPI), transmitida mensalmente por cada um dos seus estabelecimentos, sujeitos à apuração do referido imposto; e

v) No caso de a pessoa jurídica estar dispensada da escrituração do ICMS, na EFD-ICMS/IPI, em algum(uns) do(s) período(s) abrangidos pela decisão judicial com trânsito em julgado, poderá, alternativamente, comprovar os valores do ICMS a recolher, mês a mês, com base nas guias de recolhimento do referido imposto, atestando o seu recolhimento, ou em outros meios de demonstração dos valores de ICMS a recolher, definidos pelas Unidades da Federação com jurisdição em cada um dos seus estabelecimentos.

A área de Direito Tributário do Vernalha Pereira está à disposição de seus clientes para esclarecer dúvidas sobre este e outros temas.

Leia também

Assista aos vídeos