A coabilitação de empresas no REIDI. Riscos ou oportunidades?

Posicionamentos da Receita Federal geram dúvidas sobre quais empresas podem utilizar o benefício em habilitação conjunta
Andressa-Akemi-Saizaki

Andressa Saizaki

Head da área de direito tributário

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Com fundamento na Lei Federal n° 11.488/2007, no Decreto n° 6.144/2007 e na Instrução Normativa da Receita Federal n° 758/2007, o REIDI (Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura) é um programa instituído pelo Governo Federal a fim de fomentar projetos para a implantação de obras de infraestrutura em setores estratégicos da sociedade (transporte, energia, saneamento básico etc.).

O Regime consiste, essencialmente, na concessão de benefícios fiscais de suspensão e redução de alíquota das Contribuições para o PIS/PASEP e COFINS. A utilização dos benefícios é condicionada à manifestação da opção perante a Receita Federal do Brasil. Já a concessão do REIDI é precedida de um processo administrativo para a comprovação do preenchimento dos requisitos legais e concluída com a formalização de Ato Declaratório Executivo (ADE) publicado no Diário Oficial da União. O benefício poderá ser usufruído nas aquisições e importações realizadas no período de cinco anos, contados da data da habilitação da pessoa jurídica titular do projeto de infraestrutura.

O processo de habilitação é rigoroso e leva tempo para ser concluído. Por isso, a legislação oportuniza a participação no REIDI por meio de coabilitação, quando empresas forem contratadas por pessoa jurídica já habilitada ao REIDI para executar empreitada de obras de construção civil em projetos de infraestrutura. A coabilitação permite a fruição dos mesmos benefícios concedidos à empresa habilitada e é uma interessante oportunidade de extensão de benefícios fiscais e de atuação no mercado de obras de infraestrutura. Entretanto, manifestações da Receita Federal em soluções de consulta têm gerado inseguranças nos contribuintes nos processos de coabilitação no Regime.

Recentemente, a Coordenação-Geral de Tributação publicou a Solução de Consulta Cosit n.º 6/2018 e estabeleceu que o objeto do contrato a ser apresentado pela pessoa jurídica que pretenda a habilitação conjunta deve versar exclusivamente sobre a execução, por empreitada, de obra de construção civil vinculada a projeto de infraestrutura aprovado segundo as normas que disciplinam o regime.

O entendimento é o de que tal requisito só pode ser atendido: (a) na hipótese em que seja contratado somente o fornecimento, pela empreiteira, de mão de obra a ser aplicada em obra incentivada pelo REIDI; ou (b) na hipótese em que o fornecimento dessa mão de obra seja contratado juntamente com o fornecimento de materiais para utilização ou incorporação em obra incentivada pelo REIDI e/ou com o fornecimento de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos novos, para incorporação na referida obra.

Esclarece a RFB: “Para que esse mesmo requisito seja atendido, é necessário, ainda, que a prestação de serviço (mão de obra) a cargo da empreiteira (pretendente à coabilitação) revele preponderância econômica em relação ao preço dos bens cujo fornecimento esteja eventualmente incluído no objeto do contrato celebrado entre essa empreiteira e a pessoa jurídica habilitada ao Reidi”.

A interpretação restritiva do órgão fazendário constitui obstáculos à coabilitação e põe em risco os contratos de empreitada global que envolvem a execução de obras de construção civil com fornecimento de materiais e equipamentos. Segundo o entendimento consagrado na Cosit, a coabilitação no REIDI somente seria aceitável no caso de prestação de serviços exclusivamente de construção civil sem fornecimento de material/equipamento. Na prática, é pouco comum que serviços de construção civil sejam prestados sem aplicação de materiais ou utilização e equipamentos, por isso também a posição da Receita é bastante questionável.

Entende-se que as decisões que negam a habilitação ou mesmo a coabilitação de empresas sob este fundamento violam a letra da lei e podem ser enfrentadas tanto administrativa quanto judicialmente.

Sendo assim, em vista dos desdobramentos dos requisitos legais feitos pela Receita Federal, é preciso que o interessado observe rigorosamente os critérios aplicáveis, atuando de forma preventiva para assegurar seu enquadramento no regime. Vale lembrar que o descumprimento das exigências legais pode dar causa à aplicação de diversas penalidades, que vão desde multas pecuniárias, cancelamento da habilitação e até perda do Regime Especial, com risco de exigência de devolução dos benefícios obtidos com multa e juros.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos