Cancelamento da Súmula 383 do C. TST com o novo CPC

Maria Fernanda

Maria Fernanda Sbrissia

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

O inciso I da Súmula 383 do C. TST não admite interposição de recurso sem procuração nos autos, uma vez que não aplica o artigo o artigo 37 do CPC na fase recursal.

O artigo 37 do CPC não é aplicável, pois pressupõe a prática de atos urgentes que justifiquem a atuação do patrono sem procuração. Porém, no caso de recurso a sucumbência é fato previsível no processo, devendo a parte acautelar-se quanto à possível interposição de recurso.

Com o novo CPC, o artigo 104 prevê a possibilidade do advogado atuar sem procuração nos autos para evitar a preclusão.

A interposição de recurso serve, inclusive, para evitar a preclusão máxima, que é a formação da coisa julgada. Ou seja, para afastar a preclusão a parte poderá, com a vigência do novo CPC, praticar o ato e depois no prazo de 15 dias, prorrogável por mais 15 dias, conforme previsto no § 1° do artigo 104, apresentar a procuração.

Por outro lado, a não apresentação da procuração no referido prazo torna ineficaz os atos praticados. O CPC de 1973 fala em ato inexistente. O ato inexistente é incapaz de provocar qualquer efeito. Já o ato ineficaz poderá ocasionar, inclusive, a responsabilidade do advogado por perdas e danos.

Dessa forma, o novo CPC ampliou consideravelmente a possibilidade de praticar um ato sem ter procuração nos autos.

O inciso II da Súmula 383 do C. TST não admite regularização de representação na fase recursal, uma vez que não aplica o artigo o artigo 13 do CPC em segundo grau.

O artigo 13 do CPC não é aplicável, pois o C. TST entende que ele tem incidência tão somente na primeira instância, e não na fase recursal, uma vez que as consequências do afastamento da irregularidade estão direcionadas a decretação do primeiro grau, pois gera nulidade do processo, revelia ou exclusão do terceiro no processo.

A interposição do recurso consuma o ato recursal, sendo incabível sua regularização posterior, ante a preclusão consumativa.

O novo CPC passa a ter regra própria. Além de atrair todas as hipóteses do artigo 13 do CPC de 1973, no §1° do artigo 76, o § 2° do artigo 76 passa a admitir a regularização da representação da parte na fase recursal, em prazo razoável, determinado pelo juiz.

Se o advogado não regularizar a representação no prazo determinado, o Tribunal não conhecerá do recurso, se a providência couber ao recorrente ou determinará o desentranhamento das contrarrazões, se a providência couber ao recorrido.

Esses dispositivos no novo CPC estão embasados no princípio da primazia da decisão de mérito.

O novo CPC passa a ter esse princípio da primazia da decisão de mérito que é a maior preocupação com o mérito da causa do que propriamente com os pressupostos processuais ou pressupostos recursais, afastando a jurisprudência defensiva.

Agora o relator antes de conhecer uma matéria de oficio ou não conhecer o recurso propriamente dito, terá que dar a oportunidade da parte regularizar o vício.

Portanto, o novo CPC, nos artigos 104 e 76, admite a atuação sem procuração na fase recursal e também admitem a regularização da procuração. Assim, a Súmula 383 do C. TST não tem mais razão de ser, razão pela qual deverá ser cancelada.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos