O reflexo da cultura alemã durante a pandemia foi destaque durante o Diálogo Covid-19

Sendo um dos países com grande população e menor número de mortos, entenda as principais ações da Alemanha contra o coronavírus
Michele Camilo (2)

Laura Hoffmann Weiss

Analista de Comunicação e Marketing

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Um dos países mais populosos da Europa, mas que, quando comparado com Itália, França e Espanha, apresenta os menores números de mortos pela devastadora pandemia do Covid-19. Por dados como estes, a Alemanha foi o país escolhido para o quinto episódio dos Diálogos Covid-19 – sistemas de saúde e combate à pandemia. Mais uma vez apresentado pelo sócio da área de healthcare e life sciences do Vernalha Pereira, Silvio Guidi, o debate aconteceu por meio de uma live no Instagram do escritório na última terça-feira (14/04). A convidada para o diálogo foi a advogada e mestre em Direito atuante na Alemanha, Carla Steinkirch.

Com mais de seis anos em terras alemãs, a advogada falou sobre sua experiência com o sistema de saúde da Alemanha. Para surpresa dos telespectadores da live, Steinkirch contou que a grande maioria da população utiliza o sistema “público”, o qual é pago pelos próprios alemães e empregadores por meio dos seguros de saúde. “O alemão tem uma interpretação muito diferente dos brasileiros com relação ao médico, emergências e remédios. Eles evitam ir ao médico. Emergência é só quando se estiver muito mal mesmo. Se você chega na emergência com algo não tão grave, você é mandado embora. Os médicos tem horários diferenciados e toda pessoa tem um médico “da casa”. O primeiro contato é sempre com ele, seja por telefone ou na clínica. É o seu médico que te encaminha para especialistas, se necessário. E se ele não está atendendo de madrugada, então você pode recorrer às clinicas de emergência, que são pouquíssimas por cidade. E nestas clínicas, muito provavelmente, não vão te passar nenhum medicamento”.

Para Silvio Guidi, há fragilidades nesse sistema de saúde alemão, pois o foco na saúde primária gera economia ao país. “A saúde secundária e terciária são as mais caras. Ou seja, focar no médico de referência e ele encaminhar para a saúde especializada gera economia”. Apesar do sistema funcionar bem para emergências e saúde primária, Carla Steinkirch relatou que é comum a população esperar para ser atendida por especialistas. “Aqui é comum a fila de espera no atendimento, esperar quatro meses por uma consulta especializada. Quem está no privado, não precisa esperar. Mas o privado é para uma parcela muito específica da população, quem ganha mais de 60 mil euros bruto por ano, por exemplo. E se você vai para o privado, você não volta para o público. Por isso, a maioria esmagadora da população não vai para o privado”.

Pandemia do Covid-19 na Alemanha

Adentrando no tema da pandemia do Covid-19, a advogada trouxe algumas questões que, segundo estudos, podem ter ajudado a Alemanha a segurar o número de mortos mais abaixo dos demais países. Entre as principais estão a) O fato de os alemães não terem a cultura de ir ao médico com tanta frequência fez com os hospitais não lotassem; b) Diferente do Brasil e Itália, na Alemanha as pessoas não se abraçam ou beijam com tanta frequência; c) Os idosos, culturalmente, moram sozinhos ou em asilos, e não recebem visitas constantes de jovens. “Na Itália e Brasil, os filhos têm essa ligação forte com os pais e quando eles ficam doentes, os filhos cuidam dos pais. E podem acabar infectando”, contou Steinkirch.

Com relação ao isolamento social, a Alemanha tem levado as medidas a sério. “Há cinco semanas, a primeira medida federal tomada aqui foi o fechamento dos asilos. Depois disso, o ministro da saúde alemão apelou que a população ficasse voluntariamente em casa, e pelo menos 30% da população acatou ao apelo. E depois que veio a obrigatoriedade de ficar em casa. Podem sair de casa até no máximo duas pessoas, e com a separação de pelo menos 1,5m de distância entre os indivíduos. Exercícios a céu aberto, por exemplo, são permitidos desde que não exceda essas medidas”. No momento, a população está esperando o pronunciamento da chanceler do país, Angela Merkel, para acompanhar as mudanças nas restrições e no isolamento.

Assim como no Brasil, o uso de máscaras tem ganhado força na Alemanha. “As costureiras e quem tem uma mínima noção de costura, estão produzindo máscaras de tecido, mas com um filtro descartável que está sendo colocado dentro, para doação e para si mesmos. O uso já não está mais tão mal visto, e as pessoas estão usando nas ruas”. Já o uso de testes tem sido complicado no país. “Os testes são aplicados quando você entra em contato por um número de telefone específico, e seu médico “da casa” deixa o teste na porta ou entra na sua casa e ele mesmo faz. Ou então, você dirige para um centro de triagem, e tem a possibilidade de fazer o teste. Mas estes centros só existem nas cidades maiores. O fato é que a grande maioria não consegue ligar no número, não consegue falar com o médico e não tem nenhum centro de triagem perto da sua casa. O que acontece é que as pessoas acabam passando mal em casa, chamando a ambulância e indo para os hospitais”.

De acordo com Carla Steinkirch, a Alemanha está passando por mudanças muito grandes. Uma população muito tradicional que tem aprendido a lidar com a tecnologia. “Depois do Covid-19, estamos recebendo remédios pelos correios, atestado pelo telefone e quase todos os médicos já estão fazendo atendimentos televisionados. Nestas duas últimas semanas têm tido uma boa aceitação. Estabelecimentos estão recebendo pagamentos em cartão, vemos entrega de alimentos por supermercados e restaurantes, home office e outras coisas que ninguém fazia aqui”.

Solidariedade. Para a advogada, esta é o maior exemplo e lição que a Alemanha pode nos deixar em meio à pandemia. “O alemão não está saindo de casa porque não quer infectar o outro. Não quer assoberbar o sistema de saúde. Ele não quer tirar um leito de UTI de quem está sofrendo com Covid-19 ou com um ataque cardíaco, por exemplo. A população aqui se atém as regras porque acreditam que elas foram criadas com base em estudos, e sabem que esta é a melhor maneira de combater o vírus: ficando em casa”.

Nesta série de cinco diálogos com Itália, Estados Unidos, Portugal, Reino Unido e Alemanha, realizada pelo Vernalha Pereira, o principal conselho se repete: a população brasileira deve se inspirar no espírito de comunidade, empatia, solidariedade e amor ao próximo. Ficar em casa é mais do que cuidar da própria saúde, é cuidar de todos.

Leia também

Assista aos vídeos