Ministério da Agricultura passa a exigir mecanismos de Compliance para a assinatura de contratos

Clóvis

Clóvis Bertolini de Pinho

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Thiago-Lima-Breus

Thiago Lima Breus

Head da área de direito administrativo

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe Direito Administrativo

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) editou a Portaria nº 877/2018, publicada no DOU de 08/06/2018, que estabelece a obrigatoriedade da existência de Programas de Compliance para a assinatura de contratos público no âmbito da referida pasta.

O ato normativo, em seu art. 1º, estabeleceu que a exigência de programas de compliance é aplicável somente nos contratos administrativos com valor acima de R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais), o que deve ocorrer no prazo de 9 (nove) meses a partir publicação da Portaria.

O objetivo do MAPA com a nova política é alinhar esforços com os objetivos de integridade do Ministério, bem como mitigar riscos de irregularidades e fraudes que possam ocorrer no âmbito da execução de contratos administrativos.

Para que as empresas possam comprovar a existência desses mecanismos, é preciso que os contratados comprovem ao MAPA que as empresas têm mecanismos internos de gestão de riscos, canal de comunicação para o recebimento de denúncias e um código de ética e conduta, que estabeleça os mecanismos, diretrizes e objetivos do programa de integridade.

A Portaria nº 877/2018 prescreve, ainda, que a exigência de Programas de Integridade será aplicável às prorrogações contratuais que sejam realizadas no âmbito, com a verificação se a empresa contratada implementou os mecanismos de compliance, bem como apresentou Adesão ao Pacto pela Integridade do Instituto Ethos. Atente-se que eventuais prorrogações contratuais estão condicionadas à comprovação de efetividade dos mecanismos de compliance, o que demonstra a necessidade de implementação imediata de programas de integridade pelos atuais contratados pelo MAPA.

Destaca-se, ainda, que o art. 7º, da Portaria nº 877/2018, menciona que os programas que sejam meramente formais ou não apresentarem todos os requisitos necessários serão avaliados como não qualificados e não gozarão de eventuais benefícios previstos pela Lei nº 12.846/2013 (Lei Anticorrupção) ou pelo Decreto Presidencial nº 8.420/2015.

Assim como já é exigido no âmbito do Estado do Rio de Janeiro e do Distrito Federal, a existência de mecanismos de compliance passa a ser requisito essencial para a assinatura de contratos com a Administração Pública brasileira, o que demonstra uma tendência incontornável no âmbito da contratação pública.

O VGP Advogados oferece suporte e consultoria jurídica para as empresas que desejarem implantar Programas de Compliance e se adequar às disposições Portaria nº 877/2018, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

A área de Direito Administrativo do Vernalha Pereira permanece à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos sobre o tema mencionado.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos