Vernalha Pereira: um escritório apontado para o futuro

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

“O projeto de rebranding não é um processo isolado. Ele compõe um conjunto de iniciativas e transformações que estamos implementando no escritório, por ocasião do nosso planejamento de vinte anos”, afirma Ana Carolina Simão, administradora do então Vernalha Guimarães Pereira.

Fundado em 27 de julho de 2000, o escritório de advocacia empresarial iniciou sua história com apenas dois jovens, Luiz Fernando Casagrande Pereira e Fernando Vernalha Guimarães. Em duas décadas, o Vernalha Guimarães e Pereira cresceu em dimensão e ainda mais em sua representatividade no mercado jurídico.

Com 11 áreas de atuação, 18 práticas jurídicas e mais de 120 colaboradores, os sócios-fundadores  — aliados à área de comunicação e marketing  — sabiam que era hora de revisitar a marca e o posicionamento do escritório e ajustá-los à dimensão adquirida nos últimos anos. Para conduzir este processo, o escritório contou com a assessoria de uma agência especializada no universo jurídico, a Dragon Rouge.

Foram mais de doze meses de foco e cuidado com o projeto. “A Dragon Rouge entendeu quem nós éramos e conseguiu nos ajudar a extrair um pouco da nossa essência. Isso foi muito importante, pois, nós pudemos entender qual era o DNA de atuação do escritório e traduzir isso em um branding que nos represente hoje e também no futuro”, conta Luiz André Velasques, head de comunicação e marketing do escritório.

O maior desafio desse processo foi sintetizar o espírito inovador do escritório com o patrimônio construído nas últimas duas décadas: a confiança do mercado e dos clientes do Vernalha Guimarães e Pereira.

A evolução do nome

Durante sua história, o escritório já foi chamado em diversas configurações, entre elas, as siglas VG&P ou VGP Advogados. Sem nenhuma cisão ou mudança no quadro societário do Vernalha Guimarães e Pereira, foi desenhado um objetivo dentro do Comitê da Nova Marca: evoluir o logo e alinhar a forma como o escritório é chamado pelos profissionais, clientes, stakeholders e pares.

Para isso, foi sugerida a compactação e união dos sobrenomes. “Focamos em um nome que represente mais o escritório, do que simplesmente os seus sócios-fundadores”, conta Alex Sugai, CEO da Dragon Rouge Brasil. 

Após a abordagem com todas as partes, o escritório optou por suprimir o sobrenome “Guimarães” — pertencente ao sócio-fundador Fernando Vernalha Guimarães —  e também o sinal do “&”. A partir disso, surge uma evolução do nome do escritório: Vernalha Pereira.

Um escritório apontado para o futuro

Para Luiz André Velasques, a pluralidade de opiniões e a participação de profissionais de todas as áreas foram essenciais para o processo de rebranding. “Nós aqui no escritório, buscamos construir uma identidade que esteja à frente do nosso tempo. Nós acreditamos que uma marca fala sobre pessoas e nosso escritório é composto por pessoas”.

Assim como cada pessoa possui suas características mais marcantes, uma empresa também conta com atributos principais. Após um período de entrevistas com profissionais jurídicos e paralegais do Vernalha Pereira, a Dragon Rouge chegou a um novo posicionamento de marca. Segundo Alex Sugai, durante as conversas, ficou claro que a essência do escritório é de estar sempre adiante.

“Nós temos muito orgulho do nosso passado, estamos muito envolvidos com nosso presente, mas estamos sempre olhando para o futuro”, afirma Fernando Vernalha Guimarães. Considerando a essência e a realidade do escritório, foram definidos o conceito “Adiante” e o posicionamento “Apontado para o futuro”.

Segundo Luiz Fernando Casagrande Pereira, vários significados estiveram envolvidos na escolha da tagline “apontado para o futuro”. “O principal é que o escritório está sempre muito preocupado com inovação, em estar ligado com o que está acontecendo fora, estar atento ao que ainda vai acontecer para não ser atropelado pelo alto ritmo de mudanças da advocacia”

Para traduzir esse conceito da melhor maneira, também foram apresentados os atributos da marca, ou seja, todas as características que compõem a essência do escritório: excelência plural, visão transformadora, modernidade pragmática, inovação propositiva e sinergia impulsionadora.

Dinamismo e continuidade da marca

O logo do Vernalha Pereira também passou por uma grande evolução, com todas as letras em caixa baixa. A tipografia contemporânea vem para refletir um escritório moderno, muito mais próximo dos clientes e parceiros, e que se adapta aos contextos.

Os nomes Vernalha e Pereira são alinhados pela letra “a”, representando a sinergia das equipes. O grande diferencial são os três pontos que surgem a partir da letra “i” do logo, ultrapassando o limite dos nomes e mostrando dinamismo, continuidade e o posicionamento do escritório: apontado para o futuro.

“O processo de rebranding e a criação do novo logo do Vernalha Pereira surgem em um momento de sólida expansão, com a ampliação de seu corpo de profissionais e de suas estruturas de atendimento. A edição de sua nova logo é também a celebração de suas inúmeras conquistas e realizações ao longo dos últimos anos e de seus projetos para o futuro”, conta Fernando Vernalha Guimarães.

A visão de futuro

A nova marca e o novo posicionamento também traduzem uma característica importante nos escritórios corporativos: o dinamismo. O mundo empresarial vive em constantes transformações. A missão de um escritório corporativo, como o Vernalha Pereira, é acompanhar e participar dessas grandes mudanças do mercado.

O Vernalha Pereira visa contribuir para que essas transformações sejam bem-sucedidas, por meio do desenvolvimento do conhecimento jurídico, fazendo com que os figurinos dos novos negócios encontrem as soluções necessárias no presente e, principalmente, no futuro.

“Todo esse processo nos disse muita coisa sobre branding, mas também nos disse sobre nós mesmos. Isso ajudou a conceber a nova marca, mas nos ajuda também a nos compreender. Tivemos esse ganho extraordinário”, afirma Luiz Fernando Casagrande Pereira.

Leia também

Assista aos vídeos