A Nova Lei de Licitações

Aprovada pelo Senado, a Lei estabelece novas regras gerais para licitações e contratos administrativos
Thiago-Lima-Breus

Thiago Lima Breus

Head da área de direito administrativo

Pedro-Henrique-Braz-de-Vita

Pedro Henrique Braz De Vita

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Direito Administrativo do Vernalha Pereira

O Senado votou ontem (10/12/2020) e aprovou o Projeto de Lei nº 4.253/2020 (originário do antigo Projeto de Lei nº 1.292/1995), o qual estabelece novas normas gerais para licitações e contratos administrativos para a administração pública direta, autárquica e fundacional da União, dos 26 Estados, do Distrito Federal e dos 5570 Municípios brasileiros.

O novo texto legal, relatado em sua versão final (substitutivo elaborado pela Câmara dos Deputados ao Projeto de Lei do Senado) pelo senador Antonio Anastasia (PSD-MG), será encaminhado agora ao presidente da República, que poderá sancioná-lo ou vetá-lo no todo ou em parte e, ultrapassada essa fase, será promulgado e publicado.

A Nova Lei de Licitações, criada para substituir a tão criticada Lei nº 8.666/93, consiste numa espécie de compilação de dispositivos já presentes na lei antiga, na Lei nº 10.520/2002 (Lei do Pregão) e na Lei nº 12.462/2011 (Lei que instituiu o Regime Diferenciado de Contratações Públicas), e ainda de entendimentos jurisprudenciais – em especial do Tribunal de Contas da União – construídos ao longo dos últimos 25 anos.

O artigo 18 e seguintes, por exemplo, regulamentam de forma sistematizada a chamada fase de planejamento do procedimento licitatório (designada na nova lei como “fase preparatória”), a qual, apesar de negligenciada no bojo da Lei nº 8.666/93, sempre esteve presente no dia a dia do administrador público, que a executava com base e largo espectro de precedentes exarados pelo Poder Judiciário e pelos Tribunais de Contas.

O procedimento licitatório, por sua vez, sofreu uma série de alterações.

A inversão da ordem de processamento das etapas de habilitação e de julgamento das propostas, antes observada apenas no pregão e no Regime Diferenciado de Contratações Públicas, tornou-se a regra para todas as licitações, conforme art. 17 da Nova Lei de Licitações.

O Pregão, aliás, foi mantido como modalidade de licitação no novo diploma legal, aliando-se à concorrência, ao concurso, ao leilão, e ao chamado diálogo competitivo. A tomada de preços e o convite, por seu turno, foram extintos (art. 28).

No que concerne o regime contratual, é pertinente mencionar também os arts. 22 e 91, IX, da Nova Lei de Licitações, os quais reconhecem que os contratos administrativos permitem a alocação objetiva de riscos mediante a elaboração de matriz de riscos – o que deve ter forte impacto sobre os pedidos de reequilíbrio econômico-financeiro de ajustes firmados com a Administração Pública.

O novo diploma é consideravelmente extenso (possui 191 artigos), e deverá ser objeto de extensos debates nos próximos meses. Entretanto, seu impacto na rotina dos processos de contratação pública será ainda reduzido num primeiro momento.

Isso porque o art. 190, da Nova Lei de Licitações estabelece um período de vacacio legis de 2 (dois) anos, dentro do qual as Leis nº 8.666/93, 10.520/2002 e 12.462/2011 permanecerem vigentes quase que integralmente. Apenas os artigos 89 a 108, da Lei nº 8.666/93 (ou seja, a disciplina atinente aos crimes passíveis de serem cometidos no bojo de procedimentos licitatórios) serão revogados imediatamente.

De qualquer modo, o novo diploma legal promete, quando menos, introduzir na rotina do gestor público e dos sujeitos que atuam no mercado de contratações públicas instrumentos e práticas inovadoras ou evitadas até aqui em virtude de sua complexidade. E dominar rapidamente esses instrumentos e práticas implica em adquirir vantagem competitiva importante.

A área de Direito Administrativo permanece à disposição para esclarecer sobre este e outros temas de interesse de seus clientes.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade.

Leia também

Assista aos vídeos