A possibilidade de trancamento do Inquérito Policial por excesso de prazo

Saiba mais sobre a efetivação do direito fundamental à duração razoável do processo na fase de investigação.
Henrique-Dumsch-Plocharski

Henrique Plocharski

Advogado da área penal empresarial

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

A demora na prestação jurisdicional, principalmente no tocante às demandas envolvendo a matéria criminal, vem sendo amplamente debatida e severamente criticada por diversos setores da sociedade. De todo modo, independentemente das posições perfilhadas, tem-se como inaceitável atribuir morosidade exclusivamente às garantias constitucionais de acusados e investigados ou ao direito de defesa.

Por certo, o processo criminal precisa se desenvolver em tempo razoável. Ou seja, não é possível prender, julgar e condenar alguém em tempo incompatível com qualquer significado que se atribua à ampla defesa (a qual exige a concessão de tempo e meios adequados para preparação da defesa).

A previsão de um julgamento em tempo razoável (adjetivo ideal, que não se confunde com rápido) remonta há séculos, desde a 6ª Emenda da Constituição dos Estados Unidos, do século XVIII, que assegura o direito a um julgamento público e rápido (speed and public trial). Atualmente, nada menos do que a Declaração Universal dos Direitos Humanos, o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e a Convenção Americana de Direitos Humanos asseguram o direito à duração razoável do processo, ainda que nossa Constituição de 1988 não    a tenha mencionado expressamente.

Entretanto, um dos grandes problemas é a inexistência de sanções para o descumprimento dos prazos previstos no Código de Processo Penal para a conclusão da investigação preliminar, seja por parte da autoridade policial ou pelo Ministério Público.

Ainda que se tenha, como regra geral, o prazo de 10 e 30 dias para conclusão da investigação para os casos de réu preso e solto, respectivamente, a maioria das investigações, por diversas circunstâncias, acabam se prolongando demasiadamente por meses ou anos. E tais excessos, notadamente injustificáveis, acabam sendo convalidados, sob o pretexto de que o posterior oferecimento de denúncia teria o condão de afastar eventual constrangimento ilegal. Esse é o entendimento jurisprudencial majoritário (AgRg no RHC 106700/MG– STJ e HC 135906/TO – STF).

Não se deve olvidar de que a complexidade do caso e a conduta da defesa podem ser prevalentes para definir a duração da investigação. Entretanto, é sobre a atuação da autoridade incumbida da investigação que recai, na maioria das vezes, tal responsabilidade, visto que não se assegura, no inquérito, a ampla defesa e o contraditório em sua plenitude.

Acrescente-se a tal quadro a edição da Súmula nº 438 do STJ (2010) que, na contramão do raciocínio tecido, vedou a extinção da punibilidade pela prescrição da pretensão punitiva em perspectiva, inviabilizando assim o reconhecimento do referido instituto em casos em que, possivelmente, pela duração do inquérito, já teria sido alcançado o lapso temporal exigido pelo Código Penal (artigo 109 do CP), considerando a pena hipotética aplicável ao caso em concreto.

Na mesma linha, destaca-se a alteração da redação do artigo 110 do Código Penal que excluiu a possibilidade da incidência da prescrição retroativa utilizando-se o período transcorrido entre a data do fato e o recebimento da denúncia (período equivalente a investigação preliminar). É inquestionável o desacerto de tais medidas.

Ora, por certo, a demora injustificada da prestação judicial pode gerar consequências. Nesse sentido, inclusive, observa-se a possibilidade de aplicação da atenuante genérica prevista no Código Penal (art. 66) viabilizando a postulação de redução da pena diante da ineficiência estatal.

De todo o modo, recentemente, a 6ª Turma do STJ, por maioria, reconheceu no HC nº 480.079/SP a existência de constrangimento ilegal pela demora de mais de um ano para o Ministério Público Federal apresentar denúncia. Em tal caso, a investigação já se encontrava encerrada, ensejando, assim, concessão de habeas corpus para trancamento do Inquérito.

Conforme o relator Min. Sebastião Reis Júnior, houve evidente excesso de prazo, uma vez que não restou esclarecido o motivo da demora por parte do órgão de persecução (que deu andamento regular para os demais investigados, que foram denunciados), não se confundindo a medida com eventual interrupção antecipada das investigações.

Destaca-se, ainda, do voto que  ‘a garantia da razoável duração do processo vigora tanto para o procedimento judicial como para o apuratório pré-processual, devendo basear-se não só no critério aritmético de tempo, mas também nas nuances da persecução.’

Assim, ainda que discreto, tal julgado é um avanço jurisprudencial que merece destaque, visto que os holofotes estão voltados para sugestões de medidas que em nada contribuem para a aplicação e efetivação das garantias processuais – ainda que visem  ‘acelerar’  o processo criminal (que não se confunde com assegurar a duração razoável, conforme demonstrado).

Nesse sentido, é necessário buscar o melhor aparelhamento dos órgãos de persecução, além de reestruturar a Justiça com a aplicação do sistema acusatório em todas suas características, desde medidas alternativas até o princípio da oportunidade da ação dentre outros, que possam contribuir efetivamente para a duração razoável.

Leia também

Assista aos vídeos