Atenção amigos: não estou pedindo dinheiro!

O golpe do Whatsapp é uma realidade inconveniente da rotina digital dos indivíduos e um alerta para que a sociedade avance na cultura de proteção de dados.
Dayana_IMG_8566 - Versão Site

Dayana Dallabrida

Head da área de contratos e estruturação de negócios

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Nas últimas semanas, uma enxurrada de pessoas passou a alertar seus amigos, familiares e conhecidos pelas redes sociais de que foram vítimas de golpes. Um dos mais reportados é aquele em que, pelo WhatsApp, alguém aborda pessoas da lista de contatos do usuário pedindo transferências bancárias urgentes. O interessante (trágico, na verdade) dessas abordagens é que o impostor parece estar inteirado sobre o relacionamento dessas duas vítimas (a usurpada e a abordada), por vezes fazendo uso de uma linguagem muito fidedigna ao tratamento utilizado entre elas.

Essas e tantas outras situações similares passaram a ser rotineiras. O golpe da praça foi digitalizado, aprimorado e ganhou tração no alcance de vítimas.

Essa realidade é um desdobramento negativo de uma rotina altamente digitalizada dos indivíduos, que alimenta sistematicamente as oportunidades criminosas com a circulação de dados pessoais. São inúmeros cadastros de dados que os indivíduos passaram a realizar ou depender no dia a dia para usar apps de transporte, jogos, bancos, delivery, redes sociais, streaming, compras, música, leituras, serviços etc. Há quem não viva sem um dispositivo eletrônico em mãos e são cada vez mais raras as relações de consumo que estejam livres de uma interface digital.

Nada disso é novidade para mais ninguém. E a digitalização, apesar de tudo, é muito positiva, pois traz eficiência econômica e comodidade aos indivíduos. Já a circulação de dados é necessária para que os contratos sejam executados.

Por outro lado, quando os cadastros deixam os arquivos físicos das empresas e passam a se constituir como bases de dados estruturadas e digitais, a necessidade de proteção aumenta por uma razão muito simples: a vulnerabilidade e o potencial de danos são maiores.

O golpe do WhatsApp é viabilizado por uma conjugação de rastros digitais coletados pelos criminosos por interceptações, vazamentos ou até mesmo tratamento abusivo pelas empresas e demais operadores de dados.

A lei geral de proteção de dados (LGPD) insere-se nesse contexto para justamente assegurar e incentivar a inviolabilidade dos dados dos titulares. Busca-se, com a lei, construir uma cultura individual, corporativa e institucional de atenção e cuidado ao conjunto de dados pessoais em proteção à liberdade e privacidade dos indivíduos.

Na perspectiva dos titulares, a lei confere direitos e garantias em relação aos responsáveis e operadores dos bancos de dados. Na perspectiva dos operadores dos dados, que geralmente são as empresas, a lei determina a construção de uma estrutura específica de proteção que deverá considerar medidas de segurança, adoção de boas práticas e governança e criação de canais próprios de comunicação com os titulares.

Enquanto as empresas e instituições estão no caminho de aperfeiçoamento dessa realidade digital, os indivíduos podem e devem fazer uso dos recursos de segurança que lhe garantam um maior nível de proteção, a exemplo dos relacionados a seguir:

  • Arquivos – Mantenha atenção ao abrir arquivos recebidos.
  • Criptografias – Sempre que possível, ative as configurações de criptografia sobre os dados que estão armazenados em seus dispositivos e equipamentos.
  • Contas e senhas – Crie sempre senhas fortes e preferencialmente não as repita entre cadastros diferentes. Sempre que possível, habilite a verificação em duas etapas e solicite a notificação para todo e qualquer acesso.
  • Aplicativos – Instale sempre os aplicativos que tenha uma fonte oficial e fique atento às permissões de uso e aos limites de acesso à câmera, localização, contatos e microfone.
  • E-mails e mensagens eletrônicas – Desconfie sempre de links ou pedidos de pagamentos, especialmente quando originados de pessoas desconhecidas. Deve-se ter por hábito sempre verificar com a pessoa se houve efetivamente aquela solicitação.
  • Notificação de vazamento de dados – Sempre que receber uma comunicação de vazamento de dados, imediatamente redefina as configurações de segurança e crie senhas novas.

A cultura de proteção de dados começa a ser internalizada no Brasil, seja pelos incentivos e políticas desenhadas pela LGPD, seja pelas necessidades diretamente percebidas pelos indivíduos quando são vítimas de violações graves, como o tal golpe do Whatsapp. É fundamental, nesse processo, que todos tenham consciência e maturidade no exercício de seus papéis. Que os indivíduos deem mais atenção e protejam seus dados pessoais, exigindo seus direitos quando houver abuso. Que as empresas e instituições implementem seus processos e políticas de segurança e fomentem a cultura entre seus colaboradores. E que o Estado seja o mediador justo e equilibrado de todas essas relações, garantindo o melhor aproveitamento possível dessa realidade digital na sociedade brasileira.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos