Com quem, o que é e como negociar o acordo de não persecução cível do pacote anticrime?

Clóvis

Clóvis Bertolini de Pinho

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

[vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][/vc_row][vc_row bg_type=”bg_color” bg_color_value=”#f7f7f7″][vc_column][vc_empty_space height=”18px”][vc_column_text]O Pacote Anticrime permitiu a celebração de acordos de não persecução cível decorrentes de atos de improbidade, imprimindo maior eficiência na solução de litígios.[/vc_column_text][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”36px”][vc_column_text]

A sanção, pelo Presidente da República, da Lei nº 13.964/2019, também conhecida como “Pacote Anticrime”, tem gerado várias discussões a respeito da constitucionalidade de diversos mecanismos de investigação e de persecução penal, tanto na esfera acadêmica como na esfera do Poder Judiciário. Tal constatação tem por base as recentes decisões proferidas em Ações Diretas de Inconstitucionalidade pelo Presidente e Vice-Presidente do Supremo Tribunal Federal sobre a figura do Juiz de Garantias.

Como parece óbvio, a Lei nº 13.964/2019 traz consideráveis inovações no âmbito das investigações e da persecução criminal. Advirta-se, desde logo, que a Lei nº 13.964/2019 não versa somente sobre o Juiz de Garantias __ já que traz um universo totalmente novo de atuação para advogados, promotores, juízes, procuradores públicos, agentes policiais, entre outros __ e o impacto da sua aplicação será sentido por todos os operadores da área penal. Todavia, o foco principal desta abordagem está voltado aos acordos de não persecução cível.

Há uma mudança importante no que tange à celebração de acordos cíveis entre o Poder Público, o Ministério Público e os requeridos no âmbito das ações de improbidade administrativa (Lei nº 8.429/1992): a possibilidade de celebração de um acordo de não persecução cível.

Até a vigência nº 13.964/2019, a Lei nº 8.429/1992 previa, em seu artigo 17, § 1º, expressamente que: “É vedada a transação, acordo ou conciliação nas ações de que trata o caput”.

O objetivo da Lei de Improbidade Administrativa, gestada no início da década de 90, era evitar que eventuais acordos lesivos fossem celebrados entre a Administração Pública, o Ministério Público e o acusado do ato de improbidade administrativa. Durante muito tempo, a transação entre a Administração Pública e o cidadão parecia quase um assunto proibido, ante a suposta lesividade.

A realidade prática da Lei nº 8.429/1992, durante quase 28 anos, mostrou-se totalmente oposta ao espírito não colaborativo exposto pela Lei de Improbidade Administrativa. A recuperação de valores por parte do Poder Público se revelou excessivamente lenta, já que os mecanismos cíveis não eram suficientemente rápidos para tutelar a recuperação dos valores subtraídos dos cofres públicos.

Nesse contexto de ampliação da consensualidade, insere-se a nova redação conferida à Lei de Improbidade Administrativa pelo Pacote Anticrime, permitindo a celebração de transações decorrentes de atos de improbidade administrativa.

Ressalte-se que o acordo de não persecução cível previsto na Lei Anticrime não se confunde com o acordo de leniência. A nova redação da Lei de Improbidade nada fala a respeito do tema. Deste modo, o acordo de não persecução cível refere-se somente aos atos de improbidade administrativa, enquanto o acordo de leniência fica restrito aos atos previstos no art. 5º da Lei Anticorrupção (Lei nº 12.846/2013).

De forma a responder objetivamente aos questionamentos propostos no título do artigo, estão dispostos a seguir os respectivos tópicos de forma a melhor delimitar o tema.

Com quem negociar? O acordo de não persecução cível pode ser negociado diretamente com o Ministério Público ou com a entidade jurídica lesada. A celebração do acordo com o Ministério Público dependerá da homologação das instâncias internas do parquet, conforme as regras específicas de cada ramo e esfera de atuação do órgão.

O que negociar? Por meio do acordo de não persecução cível é possível negociar as condições de reparação do ato de improbidade administrativa objeto de apuração, tais como o ressarcimento integral do dano causado e a multa proporcional do ato de improbidade administrativa. Não integram o acordo de não persecução cível os atos da Lei Anticorrupção, que são objeto de transação específica (acordos de leniência). No entanto, a futura prática administrativa trará a resposta mais adequada para o problema.

Como negociar? O acordo de não persecução cível dependerá da assistência de advogados para que o compromissário tenha plena consciência das obrigações que está assumindo. A negociação deverá ser conduzida em conjunto com o Ministério Público ou a entidade lesada, de forma a trazer maiores garantias a ambas as partes.

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”36px”][/vc_column][/vc_row]

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos