Conflitos de interesses em deliberações sociais

larissa_1x1

Larissa Quadros do Rosário

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

[vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][/vc_row][vc_row bg_type=”bg_color” bg_color_value=”#f7f7f7″][vc_column][vc_empty_space height=”18px”][vc_column_text]

O que fazer quando o sócio ou administrador possui interesse conflitante com o da sociedade?

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”36px”][vc_column_text]

Um tema muito sensível no Direito Societário diz respeito ao conflito de interesses nas deliberações sociais. Isso porque é dever dos sócios e dos administradores da sociedade, seja limitada ou anônima, a proteção do patrimônio social e a tomada de decisões em vista do melhor interesse da sociedade.

Mas, afinal, o que é conflito de interesses?

Entende-se que há conflito de interesses sempre que um sócio, além do interesse típico de beneficiar a sociedade e sua respectiva atividade empresarial, se depara com matéria que pode vir a lhe causar algum outro tipo de benefício. Ou seja, quando, além do interesse social, o sócio ou administrador possui interesses pessoais.

Um exemplo que se pode considerar de potencial conflito de interesses é quando, em assembleia de eleição de diretores, um dos candidatos é familiar ou amigo próximo de um ou de mais sócios. Nesse caso,  o sócio, além de ter em vista o interesse da sociedade (escolha do candidato mais qualificado) pode, também, possuir interesses pessoais de beneficiar o familiar ou amigo com o cargo.

Embora a questão pareça simples e recorrente, na prática nem sempre se sabe o que fazer em uma situação em que há potencial conflito de interesses. Em tal situação, deve-se registrar o voto possivelmente conflitado ou deve-se impedir o sócio do exercício de seu direito?

O tratamento para o problema encontra soluções diferentes a depender da perspectiva de análise, o que é fonte de insegurança. Atualmente, no Brasil, adotam-se três entendimentos ou teorias diversas: a teoria do conflito formal, do conflito material e a do conflito intermediário.

A teoria do conflito formal é a aplicada pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM e, por consequência, usualmente também é adotada pelos tribunais, enquanto a teoria do conflito material encontra maior número de defensores no campo doutrinário. Por sua vez, a teoria do conflito intermediário é pouco defendida, mas ainda assim encontra algum respaldo na doutrina.

De modo geral, as soluções diversas propostas pelas teorias partem de um ponto comum de análise: Qual o momento em que é possível verificar a existência do conflito de interesses? A partir da mera potencialidade de dano a um interesse social ou somente a partir do momento em que o dano pode ser verificado concretamente?

Ilustrativamente, volta-se ao exemplo mencionado de eleição de diretor.

Para os adeptos da teoria do conflito formal, a mera potencialidade de que o sócio privilegie um interesse que não seja o social já é suficiente à caracterização do conflito de interesses. Logo, a potencialidade de um risco de dano à sociedade se mostra suficiente ao impedimento do exercício do direito de voto pelo sócio ou acionista.

Os defensores da teoria do conflito material, por outro lado, entendem que somente é possível declarar o conflito após proferido o voto pelo sócio ou acionista. Isso porque, embora ele se depare com a possibilidade de favorecer a si próprio ou a um familiar e amigo (como no exemplo citado), somente é possível identificar qual interesse prevalece em seu voto após ele tê-lo exercido.

Finalmente, segundo a teoria do interesse do conflito intermediário, o conflito de interesses deve ser analisado caso a caso e, conforme a postura do sócio/acionista, poderá vir a ser declarado posteriormente. Nessa linha, permite-se o exercício de voto, porém, verificando-se que não privilegiou o interesse social, deixa-se de considerar o voto proferido para fins de apuração do resultado da deliberação.

As discussões quanto à adequação de cada uma das teorias são densas. Em relação às duas teorias mais adotadas – conflito formal e material –, muito se discute em relação à qual oferece o tratamento mais adequado ao problema. Em relação a ambas, há vantagens e desvantagens.

A teoria do conflito formal possui nítido caráter preventivo do dano, porém, o faz impondo sérias restrições ao exercício do direito de voto dos sócios e, muitas vezes, sem uma análise casuística. Não se analisa o dano em concreto que a deliberação pode causar à sociedade, mas se verifica a mera potencialidade de dano, em abstrato.

De outro lado, a teoria do conflito material realiza uma adequada ponderação entre os interesses da sociedade e dos sócios/acionistas. Tal teoria privilegia a presunção da boa-fé e impede que haja a imposição de restrições ao exercício de direitos pelos sócios antes de que se verifique se, de fato, há um dano ao interesse social. A crítica deve-se ao fato de que, como a análise acerca da existência do conflito ocorre a posteriori, em muitos casos há a materialização do dano.

Fato é que o legislador não fez escolha expressa em relação a nenhuma das teorias. O mais próximo que se chegou de solucionar essa insegurança foi a modificação prevista na MP 881/2019,  que alterava a redação do artigo
nº 115 da Lei das Sociedade por Ações (nº 6.404/76). Segundo a nova redação prevista pela medida provisória,“o potencial conflito de interesses entre o acionista e a companhia não o priva do direito de voto” e a deliberação seria anulável caso comprovado o dano à sociedade.

Embora a tentativa legislativa tenha dado um passo à frente para solucionar a insegurança jurídica no tema, as alterações propostas não foram mantidas na conversão da medida provisória em lei. Assim, o tema encontra-se sujeito às vicissitudes e alternâncias do entendimento jurisprudencial.

Conforme já mencionado, prevalece atualmente no âmbito da CVM e dos tribunais a adoção da teoria do conflito formal. Dessa forma, a potencialidade de dano à sociedade pode ser argumentada para impedir que um ou mais sócios ou acionistas sejam impedidos de exercer o direito de voto. Ainda assim, sempre é possível que um sócio ou acionista adote medidas com vistas a assegurar o seu direito ao voto.

No cenário atual, sem a adoção de um posicionamento expresso em lei, o tratamento dado a potenciais conflitos de interesses durante uma assembleia ou reunião de sócios depende da forma de condução escolhida pelo presidente da deliberação e do assessoramento jurídico dos sócios/acionistas. Com isso, em geral as discussões ultrapassam o momento das deliberações sociais e são submetidas ao Poder Judiciário, prolongando o debate e, por vezes, intensificando os conflitos entre sócios, acionistas e/ou administradores.

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”36px”][/vc_column][/vc_row]

Leia também

Assista aos vídeos