Contribuintes obtêm liminares para prosseguir com a compensação do IRPJ e CSLL por estimativa

Alteração na legislação federal tem causado prejuízos aos contribuintes, que estão se socorrendo do Judiciário para compensar tributos.
Andressa-Akemi-Saizaki

Andressa Saizaki

Head da área de direito tributário

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Síntese

Trata-se de liminar em mandado de segurança impetrado em face da União (Fazenda Nacional) para afastar a restrição imposta pela Lei n.º 13.670/2018, que alterou o artigo 74 da Lei 9.430/96 e passou a vedar a compensação relativa ao recolhimento mensal de IRPJ e CSLL.

Comentário

Em maio de 2018, foi editada a Lei n.º 13.670/2018 que, entre outras medidas, alterou a Lei n.º 9.430/1996 quanto à possibilidade de compensação, pelos contribuintes optantes do lucro real, do saldo negativo de IRPJ e CSLL apurados por estimativa mensal.

Na prática, essa alteração legislativa teve um impacto bastante significativo no fluxo de caixa destes contribuintes que, antes da vigência da lei, detinham a possibilidade de compensar débitos de IRPJ e CSLL mês a mês, sobre base de cálculo estimada. Até a mudança da lei, os contribuintes que adotavam este modelo de tributação vinham transmitindo Perd/Comp (mecanismo virtual de pedidos de compensação e restituição de tributos federais) e compensando os saldos negativos dos impostos mensalmente. Ao final do exercício, promoviam o ajuste na declaração anual, recolhendo eventual diferença.

Com a superveniência da nova legislação, a situação se alterou e esses contribuintes se viram obrigados a efetuar o recolhimento das estimativas em dinheiro, independentemente da apuração de crédito junto à Fazenda Nacional.

Diante dessa quebra de expectativa e de isonomia no tratamento tributário, inúmeras empresas afetadas pela lei têm se socorrido do Judiciário para assegurar o direito à compensação. Juízes vinculados aos Tribunais Regionais Federais da 1ª, 2ª, e 4ª Regiões têm concedido liminares neste sentido. A tese defendida pelos representantes dos contribuintes em mandados de segurança advoga que a supressão desta possibilidade de compensação – com a qual as empresas contavam desde o início do exercício 2018, quando optaram pelo regime de apuração mensal– é ilegal e configura ofensa ao princípio da segurança jurídica.

Além disso, sustentam que a investida da Receita caracteriza ofensa à boa-fé objetiva dos contribuintes, que têm direito de realizar seus planejamentos tributários com base na legislação vigente. A mudança das regras “durante o jogo” é sempre matéria questionável quando se trata de tributos, especialmente quando vem em evidente prejuízo do contribuinte.
Logo, os contribuintes optantes do Lucro Real que se encontrarem nesta situação têm a possibilidade de pleitear judicialmente o direito de seguir compensando os saldos negativos de IRPJ e CSLL até o final do exercício de 2018. Com esta medida, podem evitar o impacto negativo em seus fluxos de caixas e assegurar a execução de seus planejamentos tributários.

Leia também

Assista aos vídeos