Fraude à execução afasta impenhorabilidade do único bem de família

Terceira Turma do STJ reconhece a inaplicabilidade da regra de impenhorabilidade do bem de família, trazida pela Lei 8.009/90, uma vez reconhecida fraude na alienação do único imóvel dos executados.
karen

Karen Pereira

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Síntese

Em sede de julgamento do Recurso Especial nº 1.575.243/DF, ocorrido em 22/03/2018, o Superior Tribunal de Justiça, a partir de uma interpretação conjunta entre o princípio da boa-fé objetiva e o disposto na Lei 8.009/90, consignou pelo afastamento da regra de impenhorabilidade de bem de família, mesmo sendo o único imóvel dos Executados. A alienação do imóvel em favor de parentes caracterizou fraude à execução.

Comentário

Em julgamento unânime, a terceira turma do Superior Tribunal de Justiça entendeu pela manutenção da rejeição aos embargos à adjudicação, opostos pelos Executados, assinalando o não cabimento do instituto da impenhorabilidade de bem de família, relativa a imóvel alienado por estes aos seus parentes.

Consoante previsão do artigo 1º da Lei 8.009/90, o único imóvel residencial da família é impenhorável e não responderá por nenhuma dívida civil, comercial, fiscal, previdenciária ou de outra natureza, contraída pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários e nele residam, salvo nas hipóteses legalmente previstas.

A jurisprudência do STJ por sua vez, estabelece que a impenhorabilidade do bem de família pode ser reconhecida a qualquer tempo e grau de jurisdição, mediante simples petição. As Súmulas 364 e 486 estendem o alcance da garantia legal da impenhorabilidade ao imóvel de pessoas solteiras, separadas e viúvas, e também àquele que esteja locado a terceiros, se a renda obtida for revertida para a subsistência da família.

Contudo, no caso em comento, a Terceira Turma considerou que a conjuntura dos fatos evidenciou a má-fé dos devedores e, ponderando o valor da dívida, livremente assumida pelos devedores e não paga no tempo e modo ajustados, entendeu pelo não acolhimento da tese pretendida.

Conforme voto da relatora Min. Nancy Andrighi: “a legítima defesa, como excludente de ilicitude, reclama a existência de injusta agressão à pessoa ou a seus bens, o que incontestavelmente não se vislumbra na hipótese de execução de dívida livremente assumida pelo devedor e não paga no tempo e modo ajustados. Assim, em conclusão, mesmo que superados os óbices ao conhecimento do recurso especial, a insurgência não prospera quanto ao mérito, devendo ser mantida a sentença de rejeição dos embargos à adjudicação”.

Os principais fundamentos jurídicos utilizados para se chegar a esta conclusão consistiram em uma análise conjunta da boa-fé objetiva – que deve incidir em todas as relações jurídicas – e o abuso de direito praticado, sendo neste contexto, então, examinada a regra trazida pela Lei 8.009/90, reprimindo-se atos praticados no intuito de fraudar credores, como ocorrido no caso em tela.

No acórdão, a Ministra ainda afirma que a garantia visa a resguardar o patrimônio mínimo da pessoa humana, valor esse que o legislador optou por preservar em contraposição à satisfação executiva do credor: “Essa proteção é fruto do movimento pela despatrimonialização do Direito Civil, que impõe uma releitura dos institutos à luz do feixe axiológico trazido pela Constituição Federal”.

Asseverou também o entendimento consolidado na Corte, no sentido de que a caracterização da fraude à execução enseja o afastamento da impenhorabilidade sobre o bem de família: “Com efeito, um dos princípios fundamentais do ordenamento jurídico pátrio é o da boa-fé objetiva, que, além de incidir em todas as relações jurídicas, constitui diretriz interpretativa para as normas de nosso sistema. É nesse contexto que deve ser examinada a regra de impenhorabilidade do bem de família trazida pela Lei 8.009/90, tendo como determinante a boa-fé do devedor para que possa se socorrer do favor legal, reprimindo-se quaisquer atos praticados no intuito de fraudar credores”.

Assim, concluiu, reconhecida a fraude à execução na alienação do imóvel, torna-se ineficaz a norma de proteção do bem de família, não havendo que se falar em “legítima defesa da propriedade”, mantendo a decisão que rejeitou os embargos à adjudicação e, consequentemente, afastando a arguição de impenhorabilidade do bem de família.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos