O processo ético-profissional no CRM: uma garantia à sociedade

A definição de como se dão os processos ético-profissionais buscam proteger o exercício da Medicina e toda a comunidade que recebe os serviços médicos.
Ana-Carolina-Martinez-Bazia

Ana Carolina Martinez

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Ao ser noticiada a eventual má conduta profissional de um médico, cabe ao seu Conselho de Classe avaliá-lo. Por óbvio, podem advir outras repercussões que perpassam as indenizações cíveis por responsabilidade médica ____ tema tratado na edição nº 32 do Argumento Físico, até acusações e condenações na esfera penal. Contudo, nesses casos, uma das esferas mais frequentemente enfrentadas é a esfera administrativa, a qual possui muitas peculiaridades e, em virtude disso, gera inúmeras dúvidas acerca do tema.

O primeiro diploma normativo que trata sobre este assunto é a Lei nº 3.268/57, que se destina a regulamentar os Conselhos de Medicina e, para tanto, atribui ao Conselho Regional o poder disciplinar, voltado a aplicar penas. Em seu artigo 21, esta lei determina que “para que este poder possa atuar, o profissional precisa estar inscrito no Conselho Regional de Medicina – CRM à época do fato investigado.” Tal exigência é complementada pelo artigo 2º da Resolução do Conselho Federal de Medicina – CFM nº 2.145/2016, que indica que o processamento se dará no CRM em que o médico estiver inscrito.

Verificadas essas condições, inicia-se uma sindicância que buscará realizar uma investigação prévia acerca dos fatos, podendo começar por iniciativa do próprio CRM ou através de denúncia. Contudo, vislumbra-se que não é possível sua instauração mediante denúncia anônima, ocasião em que ocorreria uma nulidade. Nesse momento, ainda não há obrigatoriedade de contraditório e seu encerramento se dá com o relatório conclusivo, que pode, inclusive, decidir por arquivar a denúncia.

Outra fase possível no Processo Ético-Profissional – PEP é a conciliação. Há, ainda, o Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, que  decorre do reconhecimento explícito de conduta ofensiva ao interesse ético individual ou coletivo, em concomitância com o compromisso de eliminar a ofensa ou o risco, adequando seu comportamento às exigências legais e éticas. Sua assinatura terá caráter sigiloso e forma própria. Tanto a aplicação do PEP quanto do TAC ocorrem exclusivamente nos casos que não envolvam lesão corporal de natureza grave, assédio sexual ou óbito do paciente e mediante indicação no relatório conclusivo.

Não ocorrendo nem a conciliação, nem a aplicação do TAC nem o arquivamento, o relatório conclusivo da sindicância é encaminhado para dar início ao PEP propriamente dito. A partir dessa etapa, tudo ocorre mediante sigilo, a fim de proteger o médico denunciado, especialmente sua imagem e reputação profissional, e a própria intimidade do paciente eventualmente envolvido.

No PEP, é subsidiariamente aplicável o Código de Processo Penal – CPP e o Código de Processo Civil – CPC a fim de que, em consonância com a Constituição Federal, possa se garantir a presunção de inocência, o devido processo legal, o contraditório e a ampla defesa. Assim, o médico denunciado poderá oferecer defesa prévia e produzir provas, arrolando até cinco testemunhas. De eventual decisão cabe recurso, sendo seus efeitos suspensos até ulterior julgamento.

A Resolução CFM nº 2.145/2016 ainda prevê que o decorrer do processo deve ser pautado pela razoabilidade e pela observância dos prazos prescricionais. Isso porque se prevê a extinção da punibilidade após cinco  anos do conhecimento do fato pelo CRM e a impossibilidade de execução das penas após cinco anos da intimação do denunciado da decisão condenatória.

Quanto às penas, a Lei 3.268/57 prevê como hipóteses (i) a advertência e a censura confidenciais em aviso reservado; (ii) censura pública em publicação oficial; (iii) suspensão do exercício profissional até 30 dias e, por fim, a mais grave: (iv) a cassação do exercício profissional. Para esta última, é necessário o referendo do Conselho Federal de Medicina. A escolha da pena aplicável, por sua vez, dependerá da análise da gravidade da conduta do profissional.

Condenado, o médico, à exceção daquele cassado, poderá se reabilitar após oito anos do cumprimento de sua pena, cuja consequência será a retirada dos apontamentos referentes às condenações anteriores.

Para reavaliação de eventual condenação, pode ser acionado o Poder Judiciário. Inicialmente, cabe observar que as três esferas citadas (cível, penal e administrativa) são completamente independentes entre si, de modo que um resultado não interfere necessariamente no outro. Contudo, com base nos princípios supracitados, caberá recorrer ao Judiciário caso ocorra alguma ilegalidade durante o processo.

Vale ressaltar que, caso não seja observado o trâmite previsto, a decisão poderá ser anulada. Não heverá, porém, discussão acerca do mérito da decisão, isto é, o juiz não adentrará a adequabilidade da pena imposta se houve efetiva violação, etc.

Como se observa, o processo ético-profissional pode ser encarado de forma desmistificada, pois tem como cerne a proteção de toda a comunidade médica e não-médica, buscando evitar condutas ofensivas à ética. Não obstante, esse objetivo é perquirido através do respeito ao profissional, garantindo o sigilo e a proteção da sua imagem, além da possibilidade de efetiva participação e atuação em sua defesa.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos