Os negócios jurídicos processuais no novo código de processo civil

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

O Novo Código de Processo Civil (NCPC) trouxe inúmeras inovações, dentre as quais merece destaque os chamados negócios jurídicos processuais.

Negócios jurídicos processuais é o termo utilizado pela doutrina para definir a possibilidade das partes disporem sobre a estrutura procedimental de seu processo. Tal conceito vai ao encontro do disposto no art. 6º do NCPC que prevê a necessidade de cooperação entre as partes e destas com o magistrado, para que se obtenha em tempo razoável a decisão sobre o caso.

Haveria com tais acordos processuais uma maior participação das partes, tanto no convencimento do juiz sobre o objeto da controvérsia, como também em relação à estrutura do próprio procedimento.

O Código de Processo Civil de 1973 (CPC) já tinha certa inclinação aos negócios jurídicos processuais, o que pode ser notado, por exemplo, na admissão de cláusula contratual de eleição de foro e na possibilidade das partes estipularem a suspensão do processo.

Com o NCPC tal inclinação é acentuada, visto que há em seu artigo 190 uma permissão geral aos acordos processuais. De acordo com tal artigo, caso o processo verse sobre direitos que admitam autocomposição, é lícito às partes plenamente capazes, antes ou durante o processo: (i) realizarem modificações no procedimento para ajustá-lo às especificidades da causa; (ii) convencionarem sobre os seus ônus, poderes, faculdades e deveres processuais. Em seu parágrafo único, o artigo 190 traz as limitações a essa disposição procedimental, afirmando que cabe ao juiz controlar a validade dos acordos, recusando-lhes aplicação em casos: (i) de nulidade ou (ii) de inserção abusiva em contrato de adesão ou (iii) no caso de alguma parte encontrar-se em situação de vulnerabilidade.

O NCPC traz, também, em seu art. 357, § 2º, a possibilidade das partes, ainda que durante o saneamento da lide, fixarem por consenso as questões fáticas e jurídicas consideradas controversas. Além disso, permite que os sujeitos processuais indiquem por acordo de vontades o perito judicial e estabeleçam, em comum acordo com o julgador, o calendário processual específico para a prática dos atos relacionados ao processo.

A possibilidade de um pacto sobre o procedimento probatório, de ampliação ou redução de prazos e de um acordo sobre instância única são outras novidades incluídas no NCPC.

Portanto, elogiados pela doutrina, os acordos processuais trazem uma maior aproximação entre o procedimento e as exigências do caso concreto, favorecendo e prestigiando as soluções de controvérsias obtidas diretamente pelas próprias partes.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos