Receita Federal passará a exigir informações sobre operações com criptomoedas

Andressa-Akemi-Saizaki

Andressa Saizaki

Head da área de direito tributário

Marcus-Paulo-Röder

Marcus Paulo Röder

Advogado da área de contratos e estruturação de negócios

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Das equipes de Direito Tributário e Contratos e Estruturação de Negócios 

A utilização de criptoativos, tais como o bitcoin, vem crescendo de maneira exponencial. Atenta ao crescimento e ao potencial arrecadatório sobre estas operações, a Receita Federal do Brasil publicou no DOU do dia 07.05.2019 a Instrução Normativa RFB nº 1.888/2019 a qual instituiu e disciplinou como deve se dar a prestação de informações à Secretaria Especial.

A partir de 01 de agosto de 2019, as pessoas físicas, jurídicas e exchanges com domicílio tributário no Brasil que realizarem operações com criptoativos terão que prestar informações à Receita Federal do Brasil, por meio do e-CAC.

A IN estabeleceu que as operações realizadas sem intermédio das exchanges ou em exchanges domiciliadas no exterior por pessoas físicas e jurídicas domiciliadas no Brasil, deverão ser reportadas a Receita Federal sempre que o valor mensal destas operações, isolado ou conjuntamente, ultrapassar a quantia de R$ 30.000,00 (trinta mil reais). Ainda, obrigou as exchanges com domicílio tributário no Brasil a prestar informações sobre das operações realizadas, tais como: compra e venda, permuta, doação, inclusive emissão, entre outras.

A IN pode ser considerada como um importante avanço na regulamentação destes tipos de ativos, não só pelo reconhecimento e definição normativa de conceitos – ao definir criptoativo e exchange, no art. 5º –, mas também por estabelecer a forma de conversão em Reais e em moeda estrangeira para o dólar estadunidense (art. 4º).

Deverão ser informados para cada operação dados como: data da realização, titulares envolvidos, o valor excluído das taxas de serviço, tipo e quantidade de criptoativos usados e o endereço das wallets (carteiras) de remessa e de recebimento. Caso a prestação de informações não seja realizada dentro do prazo, ou seja feita forma incorreta, estabeleceram-se algumas multas, que podem totalizar R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) na prestação de informações extemporâneas e 3% (três por cento) do valor das operações a que se referem quando se tratar de informações omitidas, inexatas, incorretas ou incompletas.

As áreas de Direito Tributário e Contratos e Estruturação de Negócios do Vernalha Pereira estão à disposição de seus clientes para esclarecimentos deste e outros temas de interesse.

Leia também

Assista aos vídeos