Redação final do Projeto de Lei sobre a criação do Juizados Especiais Criminais Digitais é aprovada na Câmara dos Deputados

Larissa Caxambú

Larissa Almeida

Advogada egressa do Vernalha Pereira

desirre

Desirée Rodriguez

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Em 17 de outubro de 2018 foi aprovado na Câmara o projeto de lei nº 6.832/2017, de autoria da Deputada Laura Carneiro, que propõe alterações nas Leis nº 9.099/95 e 10.259/01, que regulamentam as diretrizes dos Juizados Especiais Estaduais e Federais, respectivamente. O projeto propõe a alteração do art. 60 da Lei 9.099/95 para criar os Juizados Especiais Digitais, que passariam a ser competentes para a conciliação, julgamento e execução das infrações de menor potencial ofensivo cometidas mediante o emprego da informática ou a ela relacionadas.

Sem margem de dúvida, a iniciativa se justifica ante o crescimento dos crimes cometidos por meio de dispositivos eletrônicos e computacionais. Isso abrange casos de obtenção indevida de dados, crimes contra a honra praticados online, extorsões e toda espécie de crimes cibernéticos cuja pena máxima cominada não ultrapasse 02 anos.

A novidade é bem vista, principalmente pelo reconhecimento positivo que os Juizados Especiais têm recebido em razão de suas características, dentre elas a gratuidade, celeridade, simplicidade e informalidade, buscando sempre que possível o acordo entre as partes.

Este projeto se soma a outros – desta vez no âmbito processual – que já foram aprovados ou discutem a criação de delitos cibernéticos, como, por exemplo, o crime de invasão de dispositivo informático, previsto no Código Penal desde 2012, cuja pena estabelecida é de até 1 ano de detenção para quem invadir dispositivo informático alheio.

A área de Direito Penal Empresarial do Vernalha Pereira permanece à disposição de seus clientes para esclarecer dúvidas sobre este e outros temas. 

Leia também

Assista aos vídeos