Requisição administrativa e eventuais abusos do poder público

REQUISIÇÃO ADMINISTRATIVA E EVENTUAIS ABUSOS DO PODER PÚBLICO
Ricardo-de-Paula-Feijó

Ricardo de Paula Feijó

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Vitor-Beux

Vitor Beux Martins

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Direito Administrativo

A crise gerada pela COVID-19 demanda a adoção de medidas urgentes pelo Estado a fim de conter a contaminação em massa da população brasileira. Se de um lado há determinação expressa para reclusão das pessoas em suas casas, de outro, alguns setores – em especial o da saúde – não podem parar.

Ocorre que o fornecimento de bens e serviços necessários ao combate e prevenção da doença, quando comercializados em regime de mercado, podem representar insuperável gargalo à Administração Pública.

A volatidade de preços e a necessidade de instrução de um processo de contratação não são compatíveis com a urgência típica deste momento, o que pode, ao final, representar a perda de inúmeras vidas no sistema de saúde.

Para dar solução eficaz para estes momentos extraordinários, a Constituição Federal, no art. 5º, inc. XXV, legitimou ao Estado a realização de requisição administrativa às empresas, por meio da qual “a autoridade competente poderá usar de propriedade particular”.

Trata-se de verdadeira expropriação da propriedade privada com o objetivo de o Poder Público dispor de recursos para conter o estado calamitoso vivido.

Ocorre que tal remédio constitucional não é desprovido de limitações, o que pode gerar inúmeros focos de litígios em sua aplicação. Nos termos do próprio dispositivo constitucional, a utilização da requisição administrativa depende de “iminente perigo público” e gera ao particular expropriado o direito à ulterior indenização em caso de danificação ou consumo do bem utilizado.

Assim, pairam diversas dúvidas quanto aos limites da requisição administrativa, a quantificação da indenização e o tempo de seu pagamento.

No estado do Paraná a medida foi regulamentada pelo Governador, Carlos Massa Ratinho Junior, por meio do Decreto nº 4.315/2020 e dispõe que que “o Secretário de Estado da Saúde poderá requisitar máscaras cirúrgicas, máscaras de proteção, luvas de procedimento, aventais hospitalares, antissépticos para higienização, bem como outros bens, móveis e imóveis, ou serviços de pessoas naturais ou jurídicas para o enfrentamento da pandemia da COVID-19, autorizando o recolhimento nas sedes ou locais de armazenamento dos fabricantes, distribuidores e varejistas”.

Ou seja, não há limitação dos objetos que possam ser objeto de requisição administrativa por parte do estado do Paraná; a título de indenização as empresas que tiverem a sua produção confiscada e os hospitais privados e profissionais da saúde que precisem prestar serviços ao Poder Público receberão os valores referenciais previstos na Tabela SUS ou, quando for o caso, a “justa indenização”; e quanto ao tempo do pagamento nada foi disciplinado.

A requisição administrativa também é medida empregada pelo Governo Federal e por diversos municípios, contudo, à luz do que ocorreu no estado do Paraná, as regulamentações são lacunosas, trazem incerteza para os particulares e poderão gerar litígios.

Certamente o momento atual é de colaboração da sociedade civil com o Estado para resolver a crise, mas abusos do Poder Público devem ser contidos e as empresas devem estar atentas para a validade das requisições realizadas, a recomendação neste momento é a produção de todo material apto a demonstrar os danos suportados pelos particulares, a fim de que no momento oportuno seja possível perseguir a justa indenização prevista constitucionalmente.

A área de Direito Administrativo do Vernalha Pereira permanece à disposição para esclarecer sobre este e outros temas de interesse de seus clientes.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade.

Leia também

Assista aos vídeos