STF proíbe condução coercitiva de investigado ou réu para interrogatório

Larissa Caxambú

Larissa Almeida

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Henrique-Dumsch-Plocharski

Henrique Plocharski

Advogado da área penal empresarial

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe Penal Empresarial

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) em decisão apertada (6 x 5), declarou na última semana (14/06/2018) a não recepção pela CF/88 do instituto da condução coercitiva para fins de interrogatório, previsto no artigo 260 do Código de Processo Penal – ato no qual o acusado, testemunha ou até mesmo a vítima são levados compulsoriamente à presença da autoridade policial ou judicial para a prática de determinado ato, com o objetivo de produzir provas.

A decisão foi proferida nas ADPFs 395 e 444, ambas de relatoria do Ministro Gilmar Mendes, que em 18/12/2017 já havia deferido liminar para suspender os efeitos do artigo supracitado, diante de sua evidente restrição/interferência aos direitos à liberdade de locomoção (artigo 5º, inciso XV da CF), a presunção de não culpabilidade (artigo 5º, inciso LVII, da CF) e à presunção de não culpabilidade.

Em seu voto atinente ao mérito o Ministro Gilmar Mendes reiterou os argumentos tecidos na medida liminar, reafirmando que as conduções coercitivas para interrogatório têm se disseminado no curso da investigação criminal, constituindo-se em severa restrição à liberdade individual e dano irreparável à imagem do cidadão. Os Ministros Dias Toffoli, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Celso de Mello acompanharam o relator.

Pela corrente minoritária, os Ministros Alexandre de Moraes (em menor extensão), Roberto Barroso, Edson Fachin e Carmen Lucia,  compreenderam que a condução coercitiva, não contrariaria por si só os direitos fundamentais, sendo aplicável notadamente nas hipóteses de não atendimento, de forma injustificada, à prévia intimação, ou mesmo em substituição a medidas mais graves (preventiva/temporária), desde que assegurados os direitos constitucionais, dentre eles o direito em permanecer em silêncio (artigo 5º, inciso LXIII da CF).

Assim, considerando o novo entendimento do e. STF, o agente ou a autoridade que desobedecerem a decisão, poderão ser responsabilizados nos âmbitos disciplinar, civil e penal, podendo de igual forma ser reconhecida a ilicitude das provas obtidas, além de eventual responsabilidade civil do Estado. As conduções que já foram realizadas antes do julgamento não serão anuladas/desconstituídas.

Importante de todo o modo destacar a decisão do STF é direcionada apenas para o interrogatório. Para outros casos (reconhecimento de suspeito ou qualquer outro ato que, sem ele, não possa ser realizado), ainda é válida a disposição do artigo 260 do Código de Processo Penal.

A área de Direito Penal Empresarial do Vernalha Pereira permanece à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos sobre o tema mencionado.

Leia também

Assista aos vídeos