STJ: prazo para pagamento voluntário de débito objeto de execução é contado apenas em dias úteis

larissa_1x1

Larissa Quadros do Rosário

Advogada egressa do Vernalha Pereira

001

Guilherme Nadalin

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Cível Corporativo 

A legislação processual atual estabeleceu que a contagem dos prazos processuais, isto é, aqueles relativos à prática de atos do processo judicial, se dá apenas em dias úteis. Os demais prazos (materiais), entretanto, continuam a ser contados em dias corridos, conforme determina o art. 219, parágrafo único do Código de Processo Civil.

Recentemente, o STJ se manifestou especificamente quanto à classificação do prazo para pagamento voluntário de débitos previsto no caput do art. 523 do Código de Processo Civil. Firmou entendimento no sentido de tal prazo é processual e, portanto, sua contagem ocorre apenas em dias úteis.

A discussão surgiu no Recurso Especial de nº 1.708.348-RJ, julgado em junho deste ano e publicado apenas no início de agosto. O recurso discutia justamente a interpretação do dispositivo legal que havia sido dada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que entendeu que a contagem do prazo para pagamento voluntário seria em dias corridos.

A lógica interpretativa que havia sido adotada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro partia da premissa de que para a prática do ato de pagamento a atuação do advogado seria prescindível. Conforme apontou o relator do voto, Min. Marco Aurélio Bellizze, o entendimento reformado considerava que os advogados foram os destinatários dos benefícios decorrentes da contagem dos prazos processuais em dias úteis, não as partes.

Para desconstituir a interpretação dada pelo tribunal de origem, o relator do voto que foi acolhido por unanimidade na 3ª Turma do STJ, chamou atenção ao fato de que a intimação para pagamento se dá, em regra, em nome do advogado constituído nos autos. Além disso, ressaltou que o prazo se encontra previsto na legislação processual e acarreta consequências ao processo. Afinal, o não pagamento do débito pela parte no prazo implica na incidência de multa e honorários advocatícios, ambos no percentual de 10% (dez por cento).

O precedente apontou que o ato de pagamento voluntário de débito objeto de execução é “ato nitidamente processual” e, como consequência, também possui tal natureza (processual). Diante disso, concluiu ser inquestionável que o transcurso e contagem do prazo ocorre apenas em dias úteis.

A área Cível Corporativo do Vernalha Pereira permanece à disposição para esclarecer sobre este e outros temas de interesse de seus clientes.

Leia também

Assista aos vídeos