TJSP entende que multa administrativa pode ser suspensa com seguro garantia do contrato de concessão

A apresentação de seguro garantia do contrato de concessão é meio adequado para a suspender a exigibilidade de multa administrativa
Renan-Ribeiro-de-Camargo-Sequeira

Renan Ribeiro de Camargo Sequeira

Advogado da área de contencioso e arbitragem

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Síntese

Em julgado recente, a 7ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo – TJSP entendeu, em caso no qual se discutia a anulação de procedimento administrativo que culminou na imposição de penalidade de multa ao concessionário, que a apresentação de seguro garantia do contrato de concessão pode suspender a exigibilidade da multa. Isso porque a apólice do contrato em questão, como é de praxe, abarcava os riscos relativos a multas e processos judiciais.

Comentário

No universo do Direito Regulatório, a possibilidade da suspensão de exigibilidade de crédito não tributário, como é o caso das multas administrativas, é matéria muito discutida na jurisprudência.

Nesse sentido, a 7ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, ao julgar, em 15.05.2020, o Agravo de Instrumento de nº 3001513-54.2020.8.26.0000, posicionou-se a respeito da discussão. Em síntese, entenderam os magistrados que é possível a suspensão da exigibilidade de multa administrativa a partir da apresentação da apólice do seguro-garantia do contrato de concessão.

O caso em discussão trata-se de ação anulatória de débito através da qual uma concessionária do ramo rodoviário busca a declaração de nulidade de procedimento administrativo que culminou em penalidade de multa em decorrência de suposto descumprimento contratual. Nesse contexto, a referida concessionária, a partir do oferecimento de apólice de seguro do contrato de concessão, pleiteou a antecipação dos efeitos da tutela para suspender a exigibilidade da penalidade. A liminar foi concedida em decisão do Juízo de Primeira Instância, à qual foi interposto recurso de Agravo de Instrumento por parte da autarquia responsável por regular e fiscalizar o programa estadual de concessões rodoviárias.

A decisão do TJSP entendeu que a apólice de seguro ofertado em garantia das obrigações derivadas do contrato administrativo, em razão dos vários critérios estabelecidos pela Lei nº 8.666/93, alcança os riscos de inexecução contratual na esfera judicial, o que abrange multas e indenizações oriundos do inadimplemento das obrigações assumidas pelo tomador. A multa administrativa em discussão, portanto, estaria coberta pela apólice apresentada.

Dessa forma, entendeu-se que a apólice apresentada é instrumento hábil para suspender a exigibilidade da multa administrativa, uma vez que garante o crédito, mesmo quando litigioso. A decisão do TJSP encaminha-se, assim, para a conclusão de que, no que concerne à suspensão do crédito administrativo, não existe diferença entre a utilização de seguro garantia do contrato de concessão e a contratação de seguro para o processo judicial específico. Evidentemente, esse entendimento é muito importante para as concessionárias de serviço público, haja vista que representa a economia de importantes recursos envolvidos na contratação de apólice específica para a demanda judicial.

A conclusão mais importante do julgado, porém, é que não é cabível a interpretação analógica do artigo 151, inciso II, do Código Tributário Nacional no que tocante à suspensão de crédito não tributário. Segundo o supracitado dispositivo de lei, a suspensão da exigibilidade do crédito tributário se dá apenas mediante o depósito do seu montante integral.

Dessa forma, a 7ª Câmara de Direito Público do TJSP adotou entendimento consonante com as decisões mais recentes do Superior Tribunal de Justiça, ao menos no que diz respeito à sua Primeira Turma.

Para o STJ, uma vez que não existe previsão legal de suspensão de exigibilidade de crédito não tributário no arcabouço jurídico brasileiro, é de rigor a conclusão no sentido de que não é possível estender a aplicabilidade do artigo 151, II, do Código Tributário Nacional aos débitos não tributários. Dessa forma, entende-se que é cabível a suspensão da exigibilidade do crédito não tributário também a partir da apresentação da fiança bancária ou do seguro garantia judicial, desde que em valor não inferior ao do débito constante da inicial, acrescido de trinta por cento.

Leia também

Assista aos vídeos