Transação Tributária: primeiro edital publicado pela PGFN

Ana-Carolina-Loiola-Roza

Ana Carolina Loiola Roza

Advogada da área de direito tributário

Andressa-Akemi-Saizaki

Andressa Saizaki

Head da área de direito tributário

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Direito Tributário 

Com o objetivo de operacionalizar a Medida Provisória do Contribuinte legal que, em linhas gerais, trata acerca da possibilidade de realização de acordos chamados de Transações Tributárias entre contribuintes e a Fazenda nacional, foi publicada a portaria nº 11.956 de 2019 em 27 de novembro de 2019 da PGFN.

Referida portaria regulamenta as transações que podem ocorrer em três principais modalidades: (i) por Adesão com publicação de edital contendo regras gerais para realização de acordos, desde que os débitos não ultrapassem o valor de 15 milhões; (ii) por Proposta Individual do Contribuinte cujos débitos tributários sejam superiores ao valor de 15 milhões ou para empresas que estejam em processo de falência, liquidação ou recuperação judicial em andamento; (iii) por Proposta Individual da Procuradoria da Fazenda, para contribuintes classificados como grandes devedores, com capacidade de pagamento insuficiente ou em processo de liquidação, recuperação ou falência.

Além das modalidades, a portaria esclareceu pontos como a questão da suspensão de exigibilidade dos débitos que, enquanto transacionados, não serão impeditivos para emissão de certidão de regularidade fiscal. O texto prevê também que os acordos poderão envolver a concessão de descontos para pagamentos de débitos que são considerados irrecuperáveis e de difícil recuperação, possibilidade de parcelamento, flexibilidade quanto ao oferecimento de garantias, e a utilização de precatórios federais (inclusive de terceiros) para amortização dos débitos.

Para manutenção do acordo, o contribuinte deverá cumprir alguns requisitos, tais como manutenção de regularidade de recolhimentos de FGTS, regularização de débitos exigíveis no prazo de 90 dias a contar da inscrição em dívida ativa, disponibilizar, sempre que solicitado, suas informações financeiras e econômicas à Procuradoria, bem como realizar a renúncia das discussões judiciais quanto aos débitos que são objeto da transação.

O primeiro edital de Adesão já foi publicado pela PGFN e conta com diversas opções de negociação incluindo descontos de até 50% para pagamentos realizados à vista, parcelamento em até 84 meses para empresas de regime geral e 100 meses para pequenas e microempresas. Os débitos elegíveis na transação são aqueles inscrito em dívida há mais de 15 anos sem parcelamento ou causa suspensiva de exigibilidade ou aqueles que estejam com a exigibilidade suspensa por mais de 10 anos.

A área de Direito Tributário do Vernalha Pereira está à disposição para esclarecer sobre este e outros temas de interesse de seus clientes e parceiros.

Leia também

Assista aos vídeos