Tribunal nega vínculo entre corretor de imóveis e empresas de empreendimentos imobiliários

Tribunal entendeu que as condições de trabalho revelaram que o trabalhador não era hipossuficiente, mas um prestador de serviços específicos e qualificados.
Patrick

Patrick Rocha de Carvalho

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Síntese

Tribunal Regional do Trabalho (RS) afastou vínculo de emprego entre corretor de imóveis e um grupo de empresas de empreendimentos imobiliários. O tribunal entendeu que as condições de trabalho revelaram que o trabalhador não era hipossuficiente, mas um prestador de serviços específicos e qualificados, como proprietário de sua empresa, o qual ajustou contratualmente condições vantajosas de remuneração pelo serviço prestado, sem a subordinação inerente ao vínculo de emprego.

Comentário

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 4ª Região (RS) entendeu por negar o vínculo de emprego entre um corretor de imóveis e um grupo de empresas de empreendimentos imobiliários (1ª Turma, 0020770-02.2017.5.04.0351, Relatora LAIS HELENA JAEGER NICOTTI, DEJT 10/12/2018).

O tribunal afirmou que a relação de emprego é espécie da relação de trabalho, em que o empregado presta trabalho (obrigação de fazer) subordinado, pessoal, não eventual e essencial à consecução dos fins da empresa (e tal situação não foi provada no processo).

Assim, embora o trabalho de corretor de imóveis envolva, predominantemente, a prestação individual de serviços e de forma autônoma, possuindo características muito próximas àquelas do contrato de emprego, entende-se que o traço principal distintivo entre ambos é a existência de subordinação do trabalhador, a qual afasta o contrato de prestação de serviços, na medida em que os demais requisitos se confundem nos dois tipos de relação. Definir essa distinção (existência ou não de subordinação) não é tarefa fácil.

No julgamento ficou demonstrado que o trabalhador prestava serviços de corretor de imóveis para vendas de frações de imóveis por uma pessoa jurídica (por ele constituída), mediante a emissão de notas fiscais e contratos de prestação de serviços, cujo objeto era a “prestação de serviços de corretagem para oferecimento e negociação da venda de unidades habitacionais fracionadas” de um determinado empreendimento.

Outra circunstância diferenciada, constatada no processo, era a remuneração mensal recebida, que superava R$ 43.000,00. O salário, portanto, não era mensal ou com renda mínima, mas remunerado exclusivamente por comissões (em valores superiores aos normalmente pagos a vendedores com registro de emprego).

Além do alto valor remuneratório, nos contratos de prestação de serviços firmados, a pessoa jurídica do trabalhador declarava possuir inscrição regular junto ao Conselho Regional de Corretores de Imóveis (CRECI).

Outros elementos analisados não caracterizaram, também, a subordinação. Por exemplo: o fato de o trabalhador receber treinamento de vendas e orientações de como oferecer os produtos não influenciaram no afastamento do vínculo; e, quanto à escala de trabalho dos corretores, houve prova do interesse, dos próprios trabalhadores, na presença frequente na sala de vendas, de modo a fechar o maior número de negócios possíveis, aumentando o valor das comissões recebidas (no caso, a própria escala de folgas era combinada entre os corretores); afastou-se, também, a alegação de que a existência de manual de orientações, para os procedimentos de vendas, seriam um indício de subordinação (isso porque se entendeu que o documento era uma forma de organização do trabalho, compatível com relações de prestação de serviço); a estipulação de metas, também, é própria de contratos de prestação dos serviços de vendas de qualquer espécie, não descaracterizando a natureza de trabalho autônomo (pois faz parte da organização financeira da empresa contratante), tal como dispõem os artigos 3º e 6º, §§2º a 4º, da Lei nº 6.530/78 e o artigo 3º do Decreto nº 81.871/1978.

A intermediação de negócios (na corretagem), em sua essência, pressupõe uma certa dose de autonomia entre cliente e proprietário do imóvel objeto da compra, venda, permuta e locação, de modo que qualquer um desses negócios jurídicos se dê no interesse do cliente. O caráter autônomo é lembrado pelo artigo 722 do Código Civil, ao estabelecer que o contrato de corretagem exclui o vínculo interpessoal de dependência, característica da subordinação jurídica, elemento chave de identificação do contrato de trabalho.

Nas questões trazidas à Justiça do Trabalho, o ponto central que determina o reconhecimento (ou não) do vínculo de emprego, nos casos de corretagens, é a configuração da subordinação. O importante é saber se a atuação do trabalhador está subordinada a um vínculo de lealdade com o cliente e não com o interesse do empresário, em decorrência de um poder diretivo que, no caso analisado, inexistiu.

Em decorrência das circunstâncias acima, o TRT entendeu que as condições de trabalho verificadas, e especialmente a remuneração destacada, revelam que o trabalhador não era hipossuficiente, mas um prestador de serviços específicos e qualificados, proprietário de sua empresa, o qual ajustou contratualmente condições vantajosas de remuneração pelo serviço prestado e beneficiou-se da redução da carga tributária ensejada pela contratação por meio da pessoa jurídica.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos