A hermenêutica contratual revisitada pela Lei da liberdade econômica

Ana-Carolina-Martinez-Bazia

Ana Carolina Martinez

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

[vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][/vc_row][vc_row bg_type=”bg_color” bg_color_value=”#f7f7f7″][vc_column][vc_empty_space height=”18px”][vc_column_text]

Alterações no Código Civil propiciam um novo passo para a valorização da autonomia privada nas relações interempresariais.

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”36px”][vc_column_text]

Primando pela liberdade de pactuar e buscando propiciar uma interpretação mais condizente aos pactos interempresariais, a Lei nº 13.874/19 sedimentou a relevante modificação na normativa civil já apontada pela denominada “MP da Liberdade Econômica”. Alterando a redação dos arts. 113 e 421 e incluindo o art. 421-A, essa Lei procurou reavivar a autonomia privada, valorizando-a em oposição às interferências estatais. Em relação à MP 881/19, na seara relativa à interpretação contratual, afastou as alterações pretendidas no art. 423 e as inclusões dos arts. 480-A e 480-B.

Ao art. 113 do Código Civil foram acrescidos os parágrafos 1º e 2º, que visam balizar a forma de interpretação dos contratos. Sua função é essencialmente declaratória, uma vez que apenas reiteram parâmetros que se encontram esparsos no Código Civil, e já são amplamente adotados pelos Tribunais nacionais. Dentre estas balizas, há a confirmação do negócio pelo comportamento das partes em momento subsequente à celebração do negócio. Há ainda a referência a usos, costumes e práticas do mercado e à boa-fé, já presentes no caput deste artigo.

Art. 113. Os negócios jurídicos devem ser interpretados conforme a boa-fé e os usos do lugar de sua celebração.

    • 1º A interpretação do negócio jurídico deve lhe atribuir o sentido que:

I – for confirmado pelo comportamento das partes posterior à celebração do negócio;

II – corresponder aos usos, costumes e práticas do mercado relativas ao tipo de negócio;

III – corresponder à boa-fé;

IV – for mais benéfico à parte que não redigiu o dispositivo, se identificável; e

V – corresponder a qual seria a razoável negociação das partes sobre a questão discutida, inferida das demais disposições do negócio e da racionalidade econômica das partes, consideradas as informações disponíveis no momento de sua celebração.

    • 2º As partes poderão livremente pactuar regras de interpretação, de preenchimento de lacunas e de integração dos negócios jurídicos diversas daquelas previstas em lei.

O inciso IV do parágrafo 1º, contudo, merece maior atenção. Isso porque substitui a alteração prevista na MP 881/19 ao art. 423. Esta recebeu numerosos elogios, em virtude da noção de interpretação mais favorável ao aderente ser ampliada. Deixa, a partir da redação dada pela lei, de se restringir aos contratos de adesão e aos casos de ambiguidade ou contradição. Fala-se, ainda, quanto à aproximação dos princípios da eticidade e da socialidade, idealizados por Miguel Reale. Não obstante, remanesce a dificuldade de identificação de quem é o aderente em cada cláusula da relação jurídica estabelecida.

Ainda, o §2º remodela a alteração presente na MP 881/19, que adicionava o art. 480-A. Este parágrafo estipula a licitude do estabelecimento de parâmetros objetivos para a interpretação de requisitos de revisão ou de resolução do pacto contratual. Repetida em diferente localização, o que se vislumbra é a outorga aos contratantes da faculdade de regerem seus negócios jurídicos, inclusive em eventuais ocasiões imprevisíveis. Por essa consolidação do que já previa o Enunciado nº 23 da I Jornada de Direito Comercial, procura-se estabelecer maior segurança jurídica.

Tal dispositivo demanda leitura conjunta com a alteração proposta para o art. 421. Quanto a esta, cabe retomar que a função social do contrato se volta à tutela de interesses que transbordam os meros interesses individuais em garantias institucionais. Isto é, cabe o reconhecimento de que o contrato, embora com caráter individual prevalecente, é instrumento de organização social e econômica. A Liberdade Econômica trazida por esta Lei excluiu a expressão “em razão” e incluiu o que denominou “princípio da intervenção mínima e da excepcionalidade”, quando da verificação desta função social estipulada.

Redação anterior à MP e à Lei: Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato.
Redação dada pela Lei: Art. 421. A liberdade contratual será exercida nos limites da função social do contrato.
Parágrafo único. Nas relações contratuais privadas, prevalecerão o princípio da intervenção mínima e a excepcionalidade da revisão contratual.

Embora tais alterações permitam a realização de críticas, haja vista que é o próprio Estado, através de suas normas, que dá força obrigatória aos contratos, é digno de maior cuidado. Afinal, a intenção da Lei foi evitar que revisões judiciais de contratos resultem em alterações excessivas em relação ao que as partes estabeleceram, limitando-as a hipóteses excepcionais. O que se objetiva é a previsibilidade das regras do jogo, coibindo surpresas interpretativas. Conclui-se que a atuação estatal não é excluída, mas meramente sujeita à disciplina propiciada pelos sujeitos que participaram da formação do contrato.

Por fim, este interesse do legislador fica ainda mais evidenciado quando observado o art. 421-A, o qual – em substituição ao art. 480-B da MP 881/19, expressa a conjugação de dois enunciados forjados na I Jornada de Direito Comercial e na V Jornada de Direito Civil. Essa constatação, bem como a topografia em que inserido o dispositivo, permite notar que se privilegiou a revisão contratual em observância da sofisticação dos contratantes e a assunção de risco contratual. Não obstante as implicações econômicas para a formação dos contratos empresariais com, novamente, o aumento da segurança jurídica, esta redação recebe algumas críticas, especialmente porque possuiria pouca relevância, ante a presunção já existente de simetria nas relações civis e empresariais, em regra geral. Ainda, a alocação de riscos, conforme a estipulação dos contratantes, deve prevalecer em qualquer espécie contratual, independentemente dos sujeitos.

Art. 421-A. Os contratos civis e empresariais presumem-se paritários e simétricos até a presença de elementos concretos que justifiquem o afastamento dessa presunção, ressalvados os regimes jurídicos previstos em leis especiais, garantido também que:
I – as partes negociantes poderão estabelecer parâmetros objetivos para a interpretação das cláusulas negociais e de seus pressupostos de revisão ou de resolução;
II – a alocação de riscos definida pelas partes deve ser respeitada e observada; e
III – a revisão contratual somente ocorrerá de maneira excepcional e limitada.

Sem embargo, notável é a tentativa, já esboçada na MP que originou esta lei, de revalorizar a autonomia privada. Afinal, como Tartuce coloca, esta é a própria expressão da liberdade como valor jurídico. Ainda que permeada de princípios modernos, como as próprias alterações reconhecem, como a boa-fé e a própria função social, a autonomia privada é um grande pilar no direito privado. A Lei da Liberdade Econômica tem seu grande mérito por, ao menos, buscar reaviva-la.

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”36px”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][dt_fancy_separator separator_color=”custom” custom_separator_color=”#c4c4c4″][vc_empty_space height=”9px”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”2/3″][ultimate_spacer height=”70″ height_on_tabs=”32″ height_on_tabs_portrait=”0″ height_on_mob_landscape=”16″ height_on_mob=”0″][vc_column_text]

Este artigo faz parte do e-book “Lei da Liberdade Econômica: oportunidades e novidades”

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”9px”][vc_column_text]

Clique no botão e baixe o material produzido pelo VGP sobre o tema:

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”18px”][vc_btn title=”DOWNLOAD” color=”warning” i_icon_fontawesome=”fa fa-download” link=”url:https%3A%2F%2Fwww.vgplaw.com.br%2Fguias-juridicos%2F||” add_icon=”true”][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][vc_column width=”1/3″][vc_single_image image=”9257″ img_size=”medium” onclick=”custom_link” link=”https://www.vgplaw.com.br/guias-juridicos/”][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][dt_fancy_separator separator_color=”custom” custom_separator_color=”#c4c4c4″][vc_empty_space height=”36px”][/vc_column][/vc_row]

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade.

Leia também

Assista aos vídeos