A necessária desconexão entre terceirização e a contratação por pessoa jurídica

A terceirização permite a dispensa de empregados celetistas e sua sequente contratação como pessoas jurídicas (PJs)?
Ana-Paula-da-Silva-Bueno

Ana Paula da Silva Bueno

Advogada da área de direito do trabalho

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Síntese

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 30 de agosto de 2018, decidiu que é constitucional a terceirização nas chamadas “atividades-fim” das empresas, sob o fundamento de que não há lei que proíba tal situação.

Após tal decisão houve diversas dúvidas sobre os limites das alterações nas modalidades de contratação, sobretudo sobre a possibilidade de demitir trabalhadores celetistas e contratá-los, na sequência, como pessoas jurídicas.

Comentário

No dia 30 de agosto de 2018, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu o julgamento do tema terceirização e, por 7 votos a 4, decidiu que é constitucional a terceirização das chamadas atividades-fim das empresas, sob o fundamento de que não há proibição em lei para tal comportamento.

A terceirização se refere à relação entre o empregado terceiro, a empresa prestadora dos serviços (sua empregadora) e a empresa tomadora (contratante dos serviços).

Ficou decidido que a responsabilidade subsidiária da empresa tomadora dos serviços prevalece nos casos de condenações, abrangendo todas as verbas deferidas em ações trabalhistas. Essa responsabilidade é referente ao período da prestação laboral, conforme dispõe a redação do item IV da Súmula nº 331 do TST. Isso significa que, caso a empresa contratante não cumpra com suas obrigações trabalhistas, após ser acionada judicialmente, a responsabilidade sobre os pagamentos devidos poderá recair sobre a empresa tomadora dos serviços.

Assim, é necessário garantir o cumprimento de todas as exigências legais previstas na Lei nº 13.429/17 e garantias asseguradas aos empregados da empresa prestadora de serviços.

Desde a reforma trabalhista, vigente desde 11 de novembro de 2017, tanto a terceirização das atividades-meio (atividades não essenciais à empresa) quanto das atividades-fim (objetivo principal da empresa) já eram permitidas, restando superada a distinção entre tais situações depois da Lei nº 13.467/2017.

No entanto, não havia pacificação do tema quanto às ações anteriores à reforma trabalhista, uma vez que estas questionavam o entendimento vigente desde 2011 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o qual vedava a terceirização das atividades-fim, conforme se observava na sua Súmula nº 331, item III.

Com a decisão do tema pelo Supremo Tribunal Federal (STF), todos os processos administrativos e judiciais em trâmite e que ainda não foram julgados de forma definitiva deverão seguir o novo entendimento.

No entanto, após tal decisão, houve diversas dúvidas sobre os limites das alterações nas modalidades de contratação, sobretudo quanto à possibilidade de demitir trabalhadores celetistas e contratá-los na sequência como pessoas jurídicas (fenômeno conhecido por “pejotização”).

Essas dúvidas ocorrem na visão de muitas empresas e a interpretação dada pelo STF, de que agora é permitida a chamada terceirização irrestrita, confunde-se com os próprios limites impostos pela lei da terceirização (Lei nº 13.429/17), o que não é correto.

As modalidades de contrato de empregado terceirizado e de pessoa jurídica são distintas, pois estas últimas não foram objeto de julgamento pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal.

Na terceirização, a prestadora de serviços é contratada pela empresa tomadora para executar determinadas tarefas, sendo que os empregados terceirizados são subordinados, trabalham de forma não eventual, são remunerados e mantêm direitos trabalhistas (férias remuneradas, vale transporte e alimentação, 13° salário, licença maternidade, INSS, recolhimento do FGTS, entre outros) com empresa prestadora – ou seja, possuem os requisitos do artigo 3º da CLT e possuem relação de emprego com a fornecedora de serviços.

Já a contração de pessoa jurídica envolve um prestador de serviços sem vínculo empregatício, sendo que a sua obrigação é a entrega do trabalho estipulado em contrato (que não o de emprego), não podendo lhe ser imposta a mesma subordinação exigida como se um empregado fosse.

Isso significa dizer que a validação da terceirização (de forma ampla) pelo STF não permite a utilização dessa modalidade de contratação (de pessoas jurídicas) de forma irregular (como uma mera substituição do vínculo de emprego).

Portanto, a dispensa de empregados para posterior recontratação como pessoa jurídica (PJ), sendo mantida a subordinação do trabalhador à empresa, permanece vedada, sob pena de se configurar o vínculo empregatício (com os requisitos do artigo 3º da CLT).

O novo entendimento do STF definiu a constitucionalidade da terceirização de atividade-fim e regulamentou situações anteriores à lei de terceirização (Lei nº 13.429/2017) e à reforma trabalhista (Lei nº 13.467/2017), sendo certo que também refletira em situações posteriores às referidas leis, tornando cada vez mais clara e objetiva a chamada terceirização irrestrita.

Leia também

Assista aos vídeos