As novas formas de resolução de litígios da União Federal: a Lei nº 13.387/2019 e o Decreto nº 10.025/2019

Vitor-Beux

Vitor Beux Martins

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Thiago-Lima-Breus

Thiago Lima Breus

Head da área de direito administrativo

Ricardo-de-Paula-Feijó

Ricardo de Paula Feijó

Advogado da área de direito administrativo

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Direito Administrativo

Nestes últimos 30 dias, o Governo Federal sancionou a Lei nº 13.867/2019 e editou o Decreto nº 10.025/2019, os quais estabelecem a possibilidade de transação extrajudicial e a adoção da arbitragem para a composição de conflitos pela Administração Pública. Eles demonstram, portanto, a pretensão do Governo Federal em instituir meios alternativos e incentivar a solução de litígios com os particulares por intermédio de meios alternativos.

A Lei nº 13.867/2019 trata dos processos de desapropriação em todo território nacional e altera o Decreto-Lei nº 3.365/1941, incluindo um dispositivo que obriga o poder público a notificar previamente o proprietário do imóvel desapropriado, apresentando-lhe oferta de valor para a indenização que lhe deverá ser paga.

A lei federal ainda traz ao ordenamento jurídico previsão expressa de que caso o particular não aceite o valor ofertado pela Administração Pública, as partes podem optar pela mediação ou pela arbitragem para a resolução da disputa acerca do valor da indenização.

Para estes casos, na dicção expressa da Lei nº 13.867/2019, será do particular o direito de eleger a câmara especializada em mediação ou arbitragem, desde que previamente cadastradas pelo órgão responsável pela desapropriação.

De outro lado, o Decreto nº 10.025/2019 trata das regras da arbitragem no âmbito do setor portuário, rodoviário, ferroviário, aquaviário e aeroportuário, que envolvam a União ou as entidades da administração pública federal e os concessionários, subconcessionários, permissionários, arrendatários, autorizatários ou operadores portuários.

O Decreto federal prescreve que as controvérsias que poderão ser levadas a arbitragem são, dentre outras, as questões relacionadas à recomposição do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, o cálculo de indenizações decorrentes de extinção ou transferência do contrato de parceria e o inadimplemento de obrigações contratuais por quaisquer das partes, inclusive a Administração Pública.

A respeito destes temas, consta expressamente que as partes poderão prever contratualmente a adoção de outros meios adequados à solução de controvérsias, como a mediação ou mesmo a negociação direta com vistas a realização de acordo.

A respeito da arbitragem, o Decreto prevê a sua preferência para os casos em que a divergência esteja fundamentada em aspectos eminentemente técnicos e quando a demora na solução do conflito possa causar prejuízos a prestação adequada de serviço ou a operação de infraestrutura e quando for causa de inibição de investimentos considerados prioritários.

De outro lado, o Decreto federal prescreve como regra o adiantamento pelo contratado das custas de instituição arbitral, honorários dos árbitros e, eventualmente, honorários periciais. Restando a encargo da Administração Pública tão somente as despesas com eventual contratação de seus assistentes técnicos. Ou seja, nos casos de arbitragem a Administração Pública apenas arcará com as despesas arbitrais após a conclusão do processo, caso seja condenada a sucumbência.

Um último aspecto interessante do Decreto nº 10.025/2019 é a previsão de que, a despeito de em regra a sentença arbitral ser paga por meio de precatório, as partes podem pactuar o seu cumprimento: por meio de outros instrumentos de reequilíbrio econômico-financeiro previstos no contrato e que substituam a indenização pecuniária ou por meio da compensação com créditos não tributários existentes com a Administração Pública, incluídas as multas, ou ainda com a atribuição do pagamento do precatório a terceiro.

As duas novas regulamentações não alteraram radicalmente a nova lógica que já vem sendo experimentada na Administração Pública brasileira. Todavia, é inequívoco que trazem mais segurança jurídica para o administrador público que optar por escolher meios alternativos ao Poder Judiciário na resolução dos conflitos com particulares, pois trazem mais clareza quanto ao tema.

A área de Direito Administrativo do Vernalha Pereira permanece à disposição para esclarecer sobre este e outros temas de interesse de seus clientes.

Leia também

Assista aos vídeos