Covid-19: TJSP já reconhece o impacto econômico da crise e seus reflexos contratuais

TJSP entende que o parcelamento de prestações contratuais é possível em virtude das dificuldades financeiras desencadeadas pela pandemia do novo coronavírus
COVID-19: TJSP JÁ RECONHECE O IMPACTO ECONÔMICO DA CRISE E SEUS REFLEXOS CONTRATUAIS.
Julia-de-Freitas-Santos

Julia de Freitas Santos

Trainee jurídica

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Síntese

Em decisão recente, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo concede o parcelamento de prestações contratuais em razão do impacto econômico da pandemia do COVID-19

Comentário

Não é novidade que, com a pandemia do Covid-19, a economia mundial tem sido afetada negativamente. Os noticiários relatam de modo exaustivo a gravidade da situação e, dia após dia, o debate acerca do binômio economia versus saúde fica cada vez mais acalorado.

No Brasil, diversos Estados e Municípios emitiram decretos que impõem medidas de distanciamento social, especialmente quanto às atividades econômicas que não são consideradas serviços essenciais. A ideia é evitar, ou pelo menos diminuir, o aumento do número de casos de infecção pelo vírus e o consequente colapso do sistema de saúde.

Em entrevista realizada pela BBC News, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE já sinalizou que a recuperação financeira dos países após a crise não será rápida ou imediata. Segundo o Secretário Geral da entidade, Angel Gurría, é difícil calcular todos os prejuízos que ocorrerão, principalmente em face do desemprego e da falência de empresas.

Nesse contexto de incertezas, o Poder Judiciário brasileiro começa a ser demandado. Diversas ações que versam sobre as consequências jurídicas causadas pela Covid-19 estão sendo ajuizadas e, muitas delas, relativas ao impacto negativo na economia.

Recentemente, a 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo decidiu pela possibilidade de parcelamento das prestações referentes à participação societária que uma empresa adquiriu. O voto do relator considerou que a empresa enfrentava dificuldades financeiras em razão do fechamento do comércio local no atual contexto da pandemia e, por isso, atendeu parcialmente o pedido da empresa, determinando o parcelamento das prestações contratuais em questão.

Nesse cenário, a decisão reconheceu que a crise decorrente da pandemia é uma circunstância excepcional e irresistível que autoriza a mitigação de obrigações contratuais. A decisão fundamentou-se no disposto no art. 393 do Código Civil, que afasta a responsabilidade do devedor por prejuízos resultantes de eventos considerados como caso fortuito ou força maior quando ausente previsão contratual em sentido diverso.

Isso revela que é possível sustentar que o inadimplemento contratual decorrente de restrições impostas pelo governo (medidas de distanciamento social) é considerado como um acontecimento fortuito. Evidente que a análise demanda considerar as peculiaridades de cada caso.

No caso comentado, a empresa demonstrou que, em razão do fechamento do comércio, foi impossibilitada de exercer suas atividades e, por consequência, teve drástica redução de seu faturamento. Antecipando-se à configuração de um possível inadimplemento, em conduta proba e leal (observância da boa-fé objetiva) requereu a suspensão temporária do pagamento das prestações.

Apesar de a decisão do TJSP não possuir efeito vinculante a outros tribunais estaduais e ser impugnável por meio de recurso, ela oferece um parâmetro interpretativo. Privilegiou-se a demonstração da boa-fé contratual da parte que, antes mesmo de caracterizado o inadimplemento contratual, buscou uma solução para as dificuldades na execução do contrato nos exatos termos contratados.

O posicionamento do Tribunal mostrou-se coerente com os preceitos do Código de Civil e sensível aos efeitos econômicos do surto do COVID-19, apresentando um cenário positivo para aqueles que têm experimentado os efeitos negativos da crise gerada pela pandemia.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade.

Leia também

Assista aos vídeos