Decreto 10.024/2019: 12 novidades sensíveis para o pregão eletrônico

Daniel-Pacheco-Ribas-Beatriz

Daniel Ribas Beatriz

Advogado da área de direito administrativo

Pedro-Henrique-Braz-de-Vita

Pedro Henrique Braz De Vita

Advogado egresso do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Direito Administrativo

Foi publicado nessa segunda-feira, dia 23/09/2019, o Decreto nº 10.024/2019, que instituiu novo regulamento para as licitações processadas pela modalidade pregão, em sua forma eletrônica, no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional.

O texto (disponível aqui) possui uma série de novidades em relação à disciplina contida no revogado Decreto nº 5.450/2005, e que devem ser objeto de atenção pelas empresas que atuam no mercado de contratações públicas.

Enumeramos abaixo 12 pontos de inovação que merecem destaque:

1. O regulamento deve necessariamente ser observado e aplicado pela administração pública federal direta, autárquica e fundacional (art. 1º, § 1º);

2. A obrigatoriedade mencionada no item “1” se estende aos demais entes federativos quando as aquisições por eles planejadas forem custeadas por recursos da União, decorrentes de transferências voluntárias (art. 1º, § 2º);

3. O Decreto estabelece a autorização para se utilizar o pregão, em sua forma eletrônica, para contratar serviços comuns de engenharia (art. 1º, caput);

4. Por outro lado, ele veda expressamente a utilização do pregão, em sua forma eletrônica, para licitar obras, locações imobiliárias, alienações e bens e serviços especiais (art. 4º);

5. Qualquer sujeito pode impugnar o edital do pregão eletrônico, contando com prazo de até 3 (três) dias úteis antes da data fixada para abertura da sessão pública para tomar essa medida (art. 24);

6. O Decreto concentra a entrega da proposta e dos documentos de habilitação num único momento (art. 6º, inc. III);

7. Ele também positiva a autorização para se utilizar, em pregões eletrônicos, o critério de julgamento “maior oferta” (art. 7º);

8. A partir de agora, o sigilo do orçamento estimado da licitação, até a declaração do resultado final do certame, é a regra em pregões eletrônicos (art. 15);

9. O Decreto estabelece 2 (dois) modos de disputa: o “aberto” (art. 32) e o “aberto e fechado” (art. 33);

10. O período de encerramento aleatório (período “randômico”) foi extinto para pregões eletrônicos processados pelo modo de disputa aberto (art. 32);

11. O pregoeiro foi autorizado a promover o saneamento de falhas na proposta e nos documentos de habilitação de licitantes (art. 47);

12. Foi criado o “sistema de dispensa eletrônica”, instrumento a ser utilizado nas hipóteses de dispensa de licitação previstas nos incisos I, II e III, do art. 24, da Lei nº 8.666/93 (art. 51).

Essas e outras alterações promovidas pelo Decreto nº 10.024/2019, que entrará em vigor em 28/10/2019, certamente gerarão questionamentos no âmbito de pregões eletrônicos a serem promovidos daqui em diante, razão pela qual a área de Direito Administrativo do Vernalha Pereira permanece à disposição para esclarecimentos e assessoria sobre o tema.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos