E-commerce, o ramo alimentício e a adequação das empresas ao crescimento acelerado do mercado virtual

Conhecer os riscos do e-commerce e negociar de forma preventiva pode facilitar o processo de adequação às novas demandas do mercado alimentício.
Maria Eduarda 1x1 1

Maria Eduarda Ferreira

Trainee jurídica

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Em 2020, qual foi a relação entre a sua empresa e a tecnologia? Com a ocorrência da pandemia, o mercado brasileiro teve de se reinventar, em especial pela imposição do isolamento social. Muitos comércios tiveram de fechar e apenas os ramos essenciais permaneceram em funcionamento, mas, mesmo assim, com restrições. 

Dentre os ramos essenciais, está o de alimentos. Graças ao aumento do tempo em que as pessoas ficaram em suas casas e ao fato de os produtos alimentícios serem indispensáveis, as vendas desse setor aumentaram e o mercado expandiu.

Em razão desse aumento, uma das maneiras utilizadas para garantir a distribuição desses produtos foi a inovação tecnológica e aumento da adesão ao e-commerce. De acordo com a Associação Brasileira de Supermercados – ABRAS, em agosto de 2020, foi registrada alta de 3,9% nas vendas por e-commerce , o que representa 2,56% quando equiparado a julho de 2020 e quase 5% a mais se comparado a agosto de 2019. Além disso, segundo estudos da MCC-ENET, as vendas por
e-commerce aumentaram 73,88% em 2020, sendo as regiões com maior crescimento o Nordeste, Sul e Sudeste. E o consumidor se adaptou a formas inovadoras. Foi o que concluiu a terceira edição do estudo global “Visa Back to Business Study – 2021 Outlook”, realizado em novembro de 2020. O estudo identificou que 70% dos consumidores brasileiros apresentam maiores chances de utilizar aplicativos de pagamento móvel como primeira opção de pagamento.

Observando os números, conclui-se que as formas de relação comercial, mesmo após a pandemia, não voltarão a ser as mesmas. Para garantir o crescimento do negócio, os players desse setor precisarão investir em ferramentas tecnológicas e no estudo do desenvolvimento dessas plataformas. Apesar dos claros benefícios trazidos pela tecnologia, deve-se levar em consideração os riscos advindos do crescimento acelerado das plataformas tecnológicas. É de se perguntar, contudo, qual a melhor maneira de desenvolver relações seguras com outras empresas e com os consumidores diretos do produto.

Para tanto, é preciso entender um pouco sobre o funcionamento do comércio virtual. Esse tipo de relação pode ocorrer de duas maneiras: direta (B2C) e indireta (B2B). A primeira funciona com a venda dos produtos diretamente para o consumidor final. Já na segunda, a empresa principal firma contrato com outra empresa para que funcione como intermediária, tal como a relação entre restaurantes e supermercados por meio de plataformas digitais que conectam o produto ao cliente.

No primeiro modelo de venda, também conhecido como B2C (business to consumer), é de extrema importância buscar meios eficazes de proteção contra possíveis fraudes, tanto por falta de conhecimento, quanto por má-fé do consumidor. Nesse sentido, há duas maneiras de evitar essas ocorrências, ou seja, trabalhar com o conhecimento interno de sua própria empresa e conhecer o perfil dos seus clientes, para que, caso algo fuja à normalidade, a empresa saiba agir de maneira preventiva. O estudo sobre o comportamento e interesse dos consumidores do produto vendido é uma maneira atual e eficaz para que a empresa possa crescer e ao mesmo tempo se proteger de possíveis fraudes. Todavia, como obter informações sobre os clientes e respeitar a Lei Geral de Proteção de Dados?

A melhor maneira de realizar um estudo de qualidade e respeitar a legislação é a anonimização de dados, pois a pesquisa feita com base em dados não anônimos, sem a estrita observância do dever de colher o consentimento do cliente para utilização de seus dados com a finalidade de geração de informação convertida em benefício ao prestador pode ser extremamente prejudicial ao seu negócio, gerando processos jurídicos e administrativos.

A partir do processo correto de anonimização, dados interessantes para a pesquisa comportamental dos consumidores podem ser livremente utilizados, já que completamente desvinculados de um indivíduo específico. Com isso, a empresa garante a segurança pessoal de seu cliente e ganha credibilidade no quesito confiança.

Outras maneiras simples e eficazes de resguardar o seu negócio e instigar compras pelas plataformas e-commerce do estabelecimento são:

  • Instruções ao cliente sobre como realizar compras online de forma segura e acompanhar o percurso de sua compra;
  • Entrar em contato com o seu cliente para confirmar a compra efetuada e, posteriormente,  confirmar se a entrega obteve sucesso.

É importante também observar como funcionam os estudos de comportamento dos clientes no segundo modelo de venda abordado, o B2B (business to business). Apesar dessa relação ter aumentado bastante e apresentar benefícios para as redes de supermercados, quando a empresa contratada age fora dos padrões legais, é provável que a empresa contratante também seja juridicamente responsabilizada. Portanto, na matriz de riscos, os supermercados devem considerar a absorção da responsabilidade pelas condutas de seus representantes/prestadores, quando estes se relacionam com os clientes.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos