Edital de licitação não pode fixar percentual mínimo de taxa de administração

Por meio de recurso especial repetitivo, STJ fixou a tese de que editais de licitação não podem conter cláusula que fixe taxa de administração mínima.
Deserie-do-Carmo

Deseríe do Carmo Conde

Trainee jurídica

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Recentemente, o Tribunal de Justiça do Ceará teve sua primeira controvérsia jurídica julgada pela Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça sobre o rito dos recursos especiais repetitivos, ao apreciar o Tema 1.038.

No julgamento em questão, o debate se deu em torno da possibilidade de fixação de uma taxa mínima de administração nos editais de licitação como meio de garantir que o serviço a ser prestado pelo vencedor seja eficaz.

Por maioria de votos, a seção decidiu que não cabe ao Ente Público a fixação de um valor mínimo para a taxa referida.

Certo que o objetivo de um procedimento de licitação é a seleção da proposta mais vantajosa à administração pública, o Superior Tribunal de Justiça entendeu que a fixação de um valor mínimo seria contrário a este propósito, uma vez que o valor determinado poderia ser inexequível para um licitante e exequível para outro, a depender das suas especificidades empresariais.

Neste sentido, o julgamento buscou prestigiar a liberdade do licitante que, desvinculado de uma taxa mínima, tem autonomia para definir seu preço, ainda que aparentemente irrisório ou que possivelmente lhe traga prejuízo, desde que demonstrada a exequibilidade da proposta.
Isso se reforça com o teor do voto do Ministro Relator Og Fernandes, que consignou que “Cuida-se a escolha da taxa de administração de medida compreendida na área negocial dos interessados, a qual fomenta a competitividade em benefício de obtenção da melhor proposta pela administração pública”.

De acordo com o STJ, a adoção de uma taxa mínima de administração ofenderia o artigo 40, inciso X, da Lei de Licitações (Lei 8.666/93), que expressamente veda a fixação de preços mínimos, critérios estatísticos e faixas de variação em relação a preços de referência. Vale ressaltar que, neste caso, foi considerado que a taxa de administração estaria atrelada ao conceito de preço, uma vez que é uma forma de remuneração do vencedor contratado pela administração pública.

Em que pese o voto vencido tenha argumentado que a fixação de uma taxa mínima afastaria a possibilidade de que empresas oferecessem preços tão baixos que tornariam impossível o cumprimento do contrato pela manutenção dos serviços, o entendimento majoritário destacou a existência de diversos outros mecanismos de combate ao referido problema na Lei de Licitações.

Como exemplo, citou-se a possibilidade de que o licitante preste garantias adicionais ao cumprimento do contrato, entendimento baseado na Súmula 262 do Tribunal de Contas da União e nos parágrafos 1º e 2º do artigo 48 da Lei de Licitações, que trata especificamente dos casos em que as propostas dos licitantes são consideradas inexequíveis.

Em relação especificamente à modalidade pregão, o Ministro Relator ainda ressaltou que a Lei 10.520/02 estabelece o critério determinante do menor preço. Assim, seria contra intuitiva a possibilidade de se estabelecer uma cláusula no edital que limitasse previamente a obtenção do menor preço possível.

Deste modo, para o Ministro “Deve a administração, portanto, buscar a proposta mais vantajosa; em caso de dúvida sobre a exequibilidade, ouvir o respectivo licitante; e, sendo o caso, exigir-lhe a prestação de garantia”.

Com o desfecho do julgamento, o SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA fixou a seguinte tese: “Os editais de licitação ou pregão não podem ter cláusula prevendo percentual mínimo referente à taxa de administração, sob pena de ofensa ao artigo 40, inciso X da Lei 8.666/93”. Assim, os tribunais com ações suspensas em razão do julgamento do repetitivo podem dar normal prosseguimento aos processos com mesmo tema.

O julgamento representa um avanço para a liberdade das empresas estipularem seus preços. Porém, apesar das considerações feitas no voto do Ministro Relator, vale destacar que a concorrência predatória em processos de licitação também pode trazer prejuízo à qualidade do serviço prestado, o que demanda cautela da Administração Pública na verificação da habilitação de cada um dos licitantes.

Leia também

Assista aos vídeos

Deixe uma resposta