Legislação federal lança nova classificação de assinaturas eletrônicas

Dayana_IMG_8566 - Versão Site

Dayana Dallabrida

Head da área de contratos e estruturação de negócios

Marcus-Paulo-Röder

Marcus Paulo Röder

Advogado da área de contratos e estruturação de negócios

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Contratos e Estruturação de Negócios

Se por um lado a pandemia da COVID-19 gerou diversos impactos negativos na vida das pessoas, por outro lado, também se vivencia uma rápida aceleração e consolidação no uso de ferramentas tecnológicas.

Para superar o problema do distanciamento social, comunicações e reuniões por videoconferências tomaram conta do dia-a-dia de praticamente todos. Já para a necessidade de formalização de negócios e acordos de forma válida e segura, tem se tornado cada vez mais frequente a utilização de assinaturas digitais de documentos eletrônicos – notadamente para celebração de contratos das mais diversas espécies.

Apesar da recente popularização e do crescente aumento na frequência de utilização, a regulamentação da matéria, com o estabelecimento dos requisitos legais para se garantir a validade jurídica da assinatura digital, já tem quase uma década.

A Medida Provisória nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001 e ainda em vigor, instituiu a chamada Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil que criou as figuras jurídicas das Autoridades Certificadoras e Autoridades de Registro. Em apertada síntese, tais autoridades são responsáveis por garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica (notadamente pela verificação de assinaturas realizadas mediante o uso de certificados digitais).

Mais recentemente, em setembro deste ano, advieram novidades significativas e importantes sobre o assunto. Fruto da conversão da Medida Provisória nº 983, a Lei nº 14.063, de 23 de setembro de 2020, dispõe sobre o uso de assinaturas eletrônicas em interações com entes públicos.

Para além de estabelecer regras e procedimentos sobre o uso de assinaturas eletrônicas no âmbito de órgãos e entidades da Administração Pública (seja para questões internas e/ou para interações entre pessoas naturais e pessoas jurídicas de privado com tais entes públicos), a nova legislação criou uma classificação inovadora para as assinaturas eletrônicas.

Tal classificação consiste em três categorias de assinaturas eletrônicas, qual sejam: a) assinatura eletrônica simples; b) assinatura eletrônica avançada; e c) assinatura eletrônica qualificada. A distinção entre cada uma delas é facilmente entendível.

Nos termos do art. 4º da Lei 14.063/20, a assinatura eletrônica simples é aquela que permite identificação do signatário, mediante a anexação ou associação de dados a outros dados em formato eletrônico do signatário. Já para assinatura eletrônica avançada são exigidos requisitos mais específicos para comprovação da autoria e integridade do documento, desde que admitido pelas partes como válido ou aceito pela pessoa a quem for oposto, com as seguinte características mínimas: a tecnologia empregada deve garantir a associação ao signatário de maneiro “unívoca”, com garantias de verificação da exclusividade de utilização pelo signatário e de detecção de modificações posteriores. Por fim, a assinatura eletrônica qualificada é aquela se utiliza de certificado emitido pela ICP-Brasil, nos termos da MP nº 2.200-2/2001.

Em resumo: a assinatura eletrônica será considerada como “simples” quando se valer de algum recurso tecnológico (geralmente por associação de dados) que permite a identificação do signatário de alguma (sem utilização de certificado). Já a assinatura eletrônica “avançada” poderá se valer de certificado digital (mas não emitido pela ICP-Brasil) ou de outros meios tecnológicos com maior grau de confiabilidade e segurança para se verificar a exclusividade de utilização pelo signatário e de detecção de modificações posteriores. Quando a assinatura eletrônica for realizada por intermédio de um certificado emitido pela ICP-Brasil, esta será considerada como “qualificada”.

A Lei ainda prevê expressamente (§1º, art. 4º) que, entre as três categorias de assinaturas eletrônicas, há uma gradação crescente no nível de confiança sobre a identidade e a manifestação de vontade do titular/signatário, sendo a assinatura eletrônica qualificada (que utiliza certificado ICP-Brasil) a que possui nível mais elevado de confiabilidade.

A classificação criada pela legislação é interessante e positiva, especialmente porque passa-se a admitir a possibilidade de utilização (perante entes públicos) e a conferir validade jurídica para assinaturas eletrônicas que não se utilizam de certificados emitidos pela ICP-Brasil.

Por fim, cabe lembrar que – também aplicável para as relações interprivadas –, nos termos §2º do art. 10 da MP 2.200-2/2001, é completamente admissível a utilização de outros meios de comprovação da autoria e integridade de documentos eletrônicos (sem a necessidade de utilização de certificado emitido pela ICP-Brasil), desde que admitido pelas partes como válido ou aceito pela pessoa a quem for oposto o documento, para se ter igual validade jurídica.

A área de Contratos e Estruturação de Negócios do Vernalha Pereira permanece à disposição para esclarecer sobre este e outros temas de interesse de seus clientes.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos