Sua empresa está preparada para o sucesso?

O mercado de oportunidades ressalta a relevância da integração do corpo jurídico com a administração das empresas.
Ana-Carolina-Loiola-Roza

Ana Carolina Loiola Roza

Advogada da área de direito tributário

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Quando se trata de matéria tributária, é comum, no mercado, que empresas sejam abordadas por consultorias de ética questionável que oferecem facilidades e rápidos resultados na recuperação de créditos tributários. No entanto, é necessário cuidado na hora de contratar um advogado ou consultor para atuar nas decisões fiscais.

No início de novembro/2019, a Operação Saldo Negativo, deflagrada pela Polícia Federal e Receita Federal, expôs um grande esquema de fraude perpetrado por empresas de consultoria tributária que lesavam empresários e a Fazenda com a promessa de utilização de créditos tributários inexistentes. A operação revela de forma contundente o tamanho do impacto que decisões tributárias têm nas empresas e o cuidado que deve cercar uma decisão de contratação.

Pode-se afirmar que  2019 foi um ano de expressivos movimentos no cenário tributário brasileiro, haja vista que, dentro e fora dos tribunais, foram decididas questões que impactaram diretamente na atividade econômica das empresas.  Consequentemente, tal movimentação reacendeu o mercado de oportunidades tributárias.

Há que se ter em mente que o empresário brasileiro está inserido em um dos contextos tributários mais complexos do mundo e, nesse sistema, é fundamental que empresas e advogados estabeleçam um elo duradouro de confiança. Isso porque discussões tributárias em âmbito judicial demandam um relevante planejamento de bastidores. Mesmo obtendo sucesso em uma tese judicial, a empresa segue sujeita à fiscalização dos valores apurados ao final e terá que se adequar fiscal e contabilmente para realização financeira do êxito judicial.

Tomando como exemplo o julgamento emblemático da exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS no Supremo Tribunal Federal – STF, evidencia-se o impacto de custo de conformidade e do benefício financeiro que os julgamentos de temas relevantes em matéria tributária podem trazer aos contribuintes.

Nesse contexto, é relevante um questionamento: As empresas estão preparadas para o sucesso de suas teses?

Após o julgamento favorável ao contribuinte, a recuperação dos valores que deverão ser excluídos da base das contribuições inicia-se ainda de forma tímida, pois, até o momento, aguarda-se a modulação dos efeitos da decisão. As questões pendentes de julgamento impactam na mensuração financeira da exclusão, ou seja, qual o valor a ser excluído da base das contribuições, o ICMS pago ou o destacado na nota? Pode-se, imediatamente, excluir o imposto da base de cálculo das contribuições ou deve-se aguardar o trânsito em julgado das ações já propostas?

As respostas só serão obtidas quando finalizado o julgamento previsto para 05.12.2019. Entretanto, o processo de preparação das empresas para o complexo levantamento de valores a serem restituídos já deve ser iniciado com a orientação de seus advogados.

Para que se ilustre a dimensão dos procedimentos que seguem o sucesso da tese, pontua-se a necessidade de retificação das declarações de todo o período pleiteado pelo contribuinte. São pelo menos cinco anos de Pedidos de Restituição, Declarações de Compensação, ajustes no SPED contábil e contribuições, dentre outras obrigações acessórias.

Os procedimentos citados trazem efeitos bastante relevantes, uma vez que, após entregues as retificações necessárias para fruição dos créditos, abre-se novamente o prazo fiscalizatório. Assim, o relacionamento entre advogado e cliente deve se manter ativo durante todo o período que segue o sucesso em âmbito judicial.

Vale lembrar que, enquanto uma posição definitiva do STF não vem, a Receita Federal do Brasil – RFB tenta prevalecer entendimentos mais benéficos à arrecadação, explicitando aos contribuintes sua posição mediante o envio de cobranças e questionamentos, mesmo sem o enfrentamento total do tema.

Logo, para que haja alinhamento entre expectativa e realidade quando do ajuizamento de teses tributárias, o advogado deve estar imerso na realidade da empresa e ciente de suas particularidades.

Nesse contexto incerto, tal como a Fazenda, o contribuinte deve escolher, de acordo com o seu perfil e apetite de risco, como seguir nas suas operações correntes, sendo relevante a perspectiva jurídica nos processos de decisão. A atuação jurídica, nesses casos, excede o papel pré-concebido de que a função do advogado é mero ajuizamento e acompanhamento de temas nos tribunais, devendo participar em conjunto com setores impactados pelo tema da dinâmica da empresa, empreendendo análises de risco e orientação quanto aos desdobramentos procedimentais que seguirão o sucesso.

Logo, para se ter sucesso no ajuizamento de uma nova tese, não só uma análise de viabilidade deve ser empreendida, mas uma projeção de impactos e planejamento cuidadoso com a escolha de uma relação de confiança e de longo prazo entre empresários e advogados.

Leia também

Assista aos vídeos