TCU afasta extensão de inidoneidade a consorciada

Consorciada que não participou de atos de fraude em licitação não pode ser declarada inidônea pelo TCU.
Bruna Pereira

Bruna Lícia Pereira Marchesi

Advogada da área de direito administrativo

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Síntese

No Acórdão 1.083/2019, o Plenário do TCU decidiu que a inidoneidade de empresa consorciada não necessariamente se estende às demais empresas do consórcio.

Comentário

Em fiscalização, o Tribunal de Contas da União – TCU identificou a ocorrência de irregularidades na implantação da Refinaria Abreu e Lima, como conluio, fraude em licitação e superfaturamento. O Acórdão nº 1.803/2019 se originou de representação atuada por determinação no Acórdão nº 1.583/2016, especificamente com o objetivo de aferir a responsabilidade individual de uma das empresas consorciadas em um dos contratos.

Na decisão em comento, consta que a Refinaria Abreu e Lima detinha 25% de participação no Consórcio que venceu a licitação fraudada, mas inexistiriam provas concretas de que a empresa em questão tenha praticado qualquer dos atos fraudulentos.

A inidoneidade – que nada mais é que a proibição para licitar ou contratar com a Administração Pública – é penalidade prevista na Lei de Licitações (art. 87, IV), passível, portanto de ser aplicada pela própria Administração Pública enquanto perdurarem os motivos determinantes da punição ou até que seja promovida a reabilitação, a ser concedida sempre que houver o ressarcimento dos prejuízos e após o prazo de dois anos. Mas também é uma sanção que pode ser aplicada pelo Plenário do TCU por previsão nos artigos 15, I, ‘i’ e 271 do Regimento Interno da Corte de Contas. De acordo com o art. 271, a inidoneidade do licitante para participar de licitação na Administração Pública Federal por até cinco anos pode ser declarada pelo TCU quando verificada a ocorrência de fraude comprovada à licitação. Assim, embora recebam a mesma denominação, tratam-se de penas distintas.

Disto deriva o questionamento: em se constatando fraude em licitação da qual participou Consórcio, há inidoneidade de todas as consorciadas independentemente de aferição individual de conduta? Em bom momento e bom tom, o TCU entendeu que não.

No Acórdão nº 1.083/2019, pela ausência de provas suficientes de participação e até mesmo de ciência da empresa consorciada nos atos fraudulentos, o TCU afastou em relação a ela a inidoneidade (embora declarada em relação a outras empresas do Consórcio), porque “a condição de consorciada por si só não é apta a subsidiar a aplicação de sanção por fraude à licitação, caso os ilícitos tenham sido cometidos por outra empresa integrante do consórcio”. O entendimento se fundamenta no caráter personalíssimo da pena previsto no art. 5º, XLV da Constituição (nenhuma pena passará da pessoa do condenado).

A decisão menciona a existência de indícios de que a empresa consorciada em questão posteriormente aderiu ao esquema fraudulento, já durante a execução do contrato mediante oferta de proposta de cobertura em outros certames. Mesmo assim, afastou-se a inidoneidade, porque ainda que tal ato pudesse surtir efeitos em licitações e contratos futuros (a ser apurado em processos próprios), não tinham o condão de afetar o contrato já assinado que era objeto da análise. Ou seja, a adesão posterior da empresa consorciada ao ato fraudulento não permitiria sua inidoneidade porque irrelevante para a fraude já praticada (contrato já assinado).

Destaque-se que ainda que a decisão mencione indícios de pagamento de propina, também se afastou a inidoneidade pela ausência de indícios suficientes de que tal pagamento se deu de forma associada à fraude à licitação. Ponderou-se que o pagamento de propina configuraria ilícito tipificado na Lei Anticorrupção, cuja competência sancionatória é da Controladoria-Geral da União – CGU e, acrescente-se, do Judiciário.

Estes dois pontos indicam que, para o TCU, a inidoneidade também depende do nexo causal entre a conduta da empresa consorciada (individualizada) e o ato ilícito.

Por fim, convém mencionar que o afastamento da inidoneidade se deu com base na existência de dúvida razoável quanto à participação da empresa consorciada nos atos fraudulentos. Neste ponto, o TCU aplicou o princípio da dúvida razoável inerente aos processos criminais – consagrado pelo art. 66, item 3, do Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional –, em que a responsabilização há de ser provada acima de qualquer dúvida razoável.

O combate a condutas inidôneas, corruptas e ímprobas é essencial. Leis como a de Improbidade Administrativa (Lei nº 8.429/92) e Anticorrupção Empresarial (Lei nº 12.846/2013) são de extrema importância para a proteção do patrimônio público. Mas tal proteção não pode se dar à revelia dos direitos fundamentais de defesa e de princípios como a tripartição dos Poderes, a individualização da pena e razoabilidade e proporcionalidade. O uso descuidado de leis punitivas pode ter um efeito nefasto na economia e contrário àquilo que se busca proteger. A interpretação de normas punitivas deve ser sempre restritiva.

Assim, a decisão do TCU merece bom destaque. Não há previsão legal que autorize a extensão de responsabilidade por atos inidôneos a empresas consorciadas de forma objetiva. A participação nos atos fraudulentos não pode ser presumida, devendo ser comprovada acima de qualquer dúvida razoável. E, diferentemente de sanções pecuniárias, em especial a de ressarcimento – para as quais se admite excepcionalmente a solidariedade quando prevista em Lei (a exemplo do art. 4º, §2º, da Lei Anticorrupção) –, a inidoneidade é sanção de caráter personalíssimo: deve ser aplicada somente a quem efetivamente praticou ou participou do ato.

Leia também

Assista aos vídeos