A criminalização da inadimplência tributária

O Supremo Tribunal Federal decide tornar crime a simples falta de recolhimento de tributo e contraria sua própria súmula vinculante.
Dante-Bruno-D_Aquino

Dante D’Aquino

Head da área penal empresarial

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Síntese

A decisão adotada pelo Supremo Tribunal Federal afronta o próprio entendimento da Corte exposto na súmula vinculante n.º 25, a qual dispõe ser “ilícita a prisão civil do depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito”. É do próprio Ministro Luís Roberto Barroso a afirmação, na estrutura do voto que prevaleceu, de que “o valor do ICMS cobrado do consumidor não integra o patrimônio do comerciante, o qual é mero depositário desse ingresso de caixa”.

Comentário

Em 19.12.2019, o Supremo Tribunal Federal – STF aprovou a tese de que a inadimplência tributária deve ser criminalizada, desde que estejam presentes algumas condições, tais como a reiteração da conduta e a “consciência” do inadimplemento. A respeito, firmou o STF que “o contribuinte que, de forma contumaz e com dolo de apropriação, deixa de recolher o ICMS cobrado do adquirente da mercadoria ou serviço incide no tipo penal do artigo 2º (inciso II) da Lei 8.137/1990″. Tal entendimento foi assentado quando do julgamento, pelo plenário daquela Corte, do recurso em Habeas Corpus n.º 163.334/SC.

A decisão do Supremo abre grande margem para o Direito Penal e seu estigma negativo serem utilizados como arma de cobrança contra toda atividade empresária, inclusive aquelas que envolvem outros tributos que não o ICMS. É que, diante dos casos concretos, considerando-se o faturamento contábil mensal de uma empresa, impossível não se falar de comportamento reiterado, contumaz. Da mesma forma, difícil sustentar a ausência de conhecimento da situação contábil de sua própria atividade de sustento.

Dentro do contexto contábil empresarial, o equívoco no preenchimento da nota emitida ou da informação a ser enviada à Receita Estadual ou Federal é notado meses após a sua prática ser implantada internamente. Na contabilidade de uma empresa, então, é comum a reiteração de comportamentos; afinal, o regime de recolhimento tributário e de informações ao fisco exige isso. Assim, quando a informação contábil é questionada pelo fisco (estadual ou federal), isso ocorre após meses ou anos de sua adoção como rotina na empresa. Dessa forma, o requisito da repetição do comportamento é facilmente alcançado pelo Estado, bem como o da consciência (dolo).

É preciso descortinar o entendimento que está subjacente (talvez explícito para alguns) nessa decisão do Supremo Tribunal Federal. A sanha arrecadatória do Estado chegou a um novo patamar, já que a utilização do Direito Penal para coagir o contribuinte, pessoa física ou jurídica, a recolher os tributos aos cofres do Estado é franca e sem pudores. O Estado se vale do grave estigma que o Direito Penal e a acusação criminal podem imprimir sobre o contribuinte para forçá-lo a recolher o imposto, seja ele qual for.

O fato é que essa finalidade do Direito Penal não é compatível com grande parte das legislações internacionais democráticas, que proíbem a prisão por dívida civil, a exemplo do Pacto de São José da Costa Rica, que o Brasil se comprometeu a respeitar quando o promulgou através do Decreto n.º 678, de novembro de 1969. Nesse decreto, que internaliza a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, o Brasil aceitou banir a prisão civil por dívida.

E a decisão do Supremo, infelizmente, não observa esse compromisso assumido pelo Estado brasileiro. Dando interpretação ao artigo 2º, inciso II, da Lei Ordinária nº 8.137/90, a decisão do Supremo Tribunal Federal mostra-se contraditória com a diretriz assumida pelo País há mais de quatro décadas, em Tratado que foi recepcionado pela Constituição de 1988 com hierarquia, para uma parcela importante da doutrina jurídica , de norma constitucional (isto é, acima da lei ordinária n.º 8.137/90).

Bem de perto, a decisão adotada pelo Supremo Tribunal Federal afronta o próprio entendimento da Corte que a levou a editar a Súmula Vinculante n.º 25, a qual dispõe ser “ilícita a prisão civil do depositário infiel, qualquer que seja a modalidade do depósito”. Note-se que é do próprio Ministro Luís Roberto Barroso, a afirmação, na estrutura do voto que prevaleceu de que “o valor do ICMS cobrado do consumidor não integra o patrimônio do comerciante, o qual é mero depositário desse ingresso de caixa que, depois de devidamente compensado, deve ser recolhido aos cofres públicos”.

Dispensadas maiores reflexões sobre o tema ora exposto, verifica-se diariamente uma nefasta consequência, a que Jesús-María Silva Sanchez, criticamente, tem denominado de “a expansão do Direito Penal” ou “Direito Penal de segunda velocidade” , que se legitima a partir de um discurso de proteção de bens jurídicos supraindividuais de conteúdo econômico, como o erário público, mas termina por revelar o que, realmente, mais interessa ao Estado.

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos