COVID-19 e os efeitos imediatos nos contratos administrativos de facilities

COVID19 e os efeitos imediatos nos contratos administrativos de FACILITIES
Thiago-Lima-Breus

Thiago Lima Breus

Head da área de direito administrativo

Bruna Pereira

Bruna Lícia Pereira Marchesi

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Helen

Helen Esteves Marcante

Advogada egressa do Vernalha Pereira

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

[vc_row][vc_column][/vc_column][/vc_row][vc_row bg_type=”bg_color” bg_color_value=”#f7f7f7″][vc_column][vc_empty_space height=”18px”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_empty_space height=”36px”][vc_column_text]

1. Facilities e serviços essenciais de prestação continuada.

As facilities são serviços de infraestrutura prestados com o objetivo de otimizar o trabalho do contratante: representam basicamente a terceirização de atividade-meio, não só da mão de obra, mas do serviço de meio como um todo. Os contratos de facilities são muito comuns, por exemplo, para os serviços de segurança e portaria; recepção e atendimento; limpeza e conservação; jardinagem etc.

Por esta modelagem há inegável aumento na eficácia dos processos e otimização de recursos, além de permitir que o contratante foque em sua atividade principal, o aumento da vida útil de instalações e a solução de diversos serviços em único contrato.

 Um pequeno, mas importante detalhe é que embora tais atividades sejam inegavelmente de meio, muitas delas são essenciais, isto é, indispensáveis e que não podem ser interrompidas, sob pena de se prejudicar a atividade fim ou gerar danos ao contratante, seja ele privado ou público.

Simples exemplo: o serviço de limpeza de um hospital é atividade-meio, mas é inimaginável cogitar o funcionamento de um hospital sem que o serviço de limpeza exista. A limpeza é essencial para que o hospital funcione de forma minimamente adequada. É, como dito, apenas um exemplo. Também não é possível cogitar que um hospital consiga manter seu funcionamento sem os serviços de manutenção geral (elétrica, hidráulica etc.) ou até de recepção.

Em tempos de pandemia do COVID-19 são necessários mecanismos que assegurem a manutenção dos serviços essenciais, inclusive aqueles prestados por contratos de facilities. Ao mesmo tempo, os serviços não essenciais podem e devem ser interrompidos para evitar a propagação do vírus. Para cada situação, consequências financeiras existem e, por conseguinte, deve haver a proteção jurídica que garanta tanto a justa remuneração do particular, quanto o atendimento do interesse público nesta triste e imprevisível crise mundial.

2. Atos normativos emergenciais editados sobre a matéria e suas principais regulações.

 Nos últimos dias, diversos atos normativos foram editados no âmbito federal, estadual e municipal para combater o COVID-19 ou regular situações jurídicas durante a crise.

No âmbito federal a primeira normativa foi a Portaria nº 188, de 03/02/2020, que declarou emergência em saúde pública de importância nacional. Poucos dias depois, em 07/02/2020 foi publicada a Lei nº 13.979/20 que tratou de medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância nacional decorrente do COVID-19. Foi necessário, porém, mais de um mês para que o Governo Federal estabelecesse a proteção de manutenção aos serviços essenciais, o que foi realizado pela Medida Provisória nº 926, de 20/03/2020, que incluiu os §8º a 11 do art. 3º na Lei nº 13.979/20. Tais dispositivos estabelecem de forma geral que as medidas de enfrentamento ao COVID-19 não podem afetar o funcionamento de serviços públicos e atividades essenciais.

 A regulação da questão veio no Decreto nº 10.282 de 20/03/2020, que se aplica a todas as esferas de governo, bem como a entes privados e pessoas naturais (art. 2º). Já de início, o Decreto conceitua como serviços públicos e atividades essenciais aqueles indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade, assim considerados aqueles que, se não atendidos, coloca em perigo a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população (art. 3º) e traz uma extensa lista de serviços e atividades. A lista, porém, não é estática.  Está sendo constantemente revista e alterada pelo Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos do Covid-19 (criado pelo Decreto nº 10.277, de 16/03/2020), tanto que já foi alterada pelo Decreto nº 10.288, de 22/03/2020 para incluir as atividades e serviços relacionados à imprensa.

A lista é, em verdade, exemplificativa, pois o que importa é o enquadramento no conceito de serviço ou atividade essencial. Ademais, a lista deve ser interpretada de modo extensivo, pois o §2º do art. 1º do Decreto nº 10.282/2020 expressamente considera como essenciais as atividades acessórias, de suporte e a disponibilização dos insumos necessários a cadeira produtiva relativas ao exercício e ao funcionamento dos serviços públicos e das atividades essenciais. Ou seja, não apenas os serviços e atividades listados por Decreto são essenciais, como também são todos os serviços e atividades que sejam indispensáveis para que aqueles listados existam e sejam prestados, ou seja, os serviços e atividades meio que são o típico objeto de contratos de facilities.

Enfim, enquadrado como serviço público ou atividade essencial, pelo Decreto nº 10.282/20 não pode haver qualquer restrição à circulação de trabalhadores que afete o funcionamento de tais serviços ou atividades (art. 1º, §3º); e a sua limitação dependerá de ato específico e com articulação prévia com o órgão regulador ou poder concedente ou autorizador (art. 1º, §6º). Isto é claro, não exime os envolvidos de adotarem todas as cautelas para a redução dos riscos de transmissão da COVID-19 (art. 1º, §7º).

Para aquelas situações não listadas, a definição do que é o não essencial, a partir do conceito definido no art. 3º, caput, do Decreto nº 10.282/20, deve ser feita caso a caso. No caso do Poder Público, caberá ao órgão contratante avaliar a essencialidade do serviço ou atividade. O que se tem por certo é que, os serviços essenciais não poderão ser interrompidos e alguns poderão sofrer exponencial majoração de volume – o que inclui as atividades meio que os integram e que são objeto de contratos de facilities; ao passo que os serviços não essenciais devem ser total ou parcialmente paralisados como medida de contenção da contaminação, o que invariavelmente afetará as atividades meio objeto de contratos de facilities. De um ou de outro modo, revisões contratuais serão muito prováveis, até inevitáveis.

3. Ferramentas, limites e possibilidades de reequilíbrio econômico do contrato administrativo em tal cenário de crise.

 Certo é que a crise gerada pelo COVID-19 irá impactar de forma direta diversos contratos administrativos, seja por um aumento substancial para atender o estado de emergência decretado pela União ou pela interrupção abrupta da prestação de serviços. Nesta seara é essencial considerar todos os parâmetros para o momento atual e para o posterior – quando da retomada da prestação dos serviços, momento em que será de fato analisada a real necessidade de reequilíbrio econômico financeiro de todos estes contratos.

A princípio, analisa-se os contratos de facilities que terão sua execução interrompida. Como exemplo, pode-se citar os serviços de segurança, limpeza e copeiragem de locais fechados em razão do vírus. É cristalino que nestes casos existe uma inexecução contratual sem culpa por fatos alheios à vontade das partes. Tais fatos são não imputáveis às partes são solucionados pela aplicação dos artigos 478 e 479 do Código Civil, relativos à resolução de contratos por onerosidade excessiva e paralelamente o artigo 393 do Código Civil em razão da ocorrência de caso fortuito e força maior.

O artigo 478 estipula a possibilidade de resolução contratual de execução caso não haja possibilidade no ajuste contratual. Já o artigo 479 prevê a possibilidade de continuidade do contrato desde que ocorra a modificação equitativa dos termos contratuais (reequilíbrio da equação econômico-financeira inicial). No que tange o artigo 393 ele prevê uma exceção importante, que uma das partes pode assumir previamente a responsabilidade em caso de ocorrência do caso fortuito ou força maior, nessa hipótese não poderão aduzidos por tal parte com o objetivo de extinguir o contrato ou revisá-lo com base no desequilíbrio contratual.

É essencial destacar que nos contratos administrativos a manutenção do equilíbrio econômico financeiro possui previsão constitucional disposta no artigo 37, XXI da CF e na Lei 8.666/93 a matéria está prevista no art. 65, II, d que admite a alteração do acordo de vontades com o objetivo de reestabelecer o equilíbrio econômico-financeiro inicial do contrato.

Tendo em vista a pandemia do COVID-19 as adequações na prestação dos serviços são cristalinamente evento imprevisíveis com consequências completamente incalculáveis, sendo assim, a Administração Pública será responsável pelo reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos.

Vale lembrar que os serviços continuados, em que pese interrompidos, não isentam ao particular nas suas obrigações trabalhistas e que este é o custo mais alto de quaisquer contratos de facilities. Consequentemente, o reequilíbrio é a proteção do sujeito privado que contrata com a Administração Pública.

Importa aqui ponderar que, para se precaver, é essencial que a Administração seja comunicada de todas as ações tomadas pela empresa. Seja informando qual as formas e orientações estão sendo passadas aos colaboradores que mantém as suas atividades laborais, seja pela interrupção dos serviços atendendo aos decretos municipais, estaduais e federais. Neste momento essa é a principal ação que deve ser tomada levando em conta e devidamente fundamentada em cada decreto. Esta ação gera uma segurança jurídica futura e possibilitará maior embasamento no pedido de reequilíbrio econômico financeiro dos contratos após o fim da crise pandêmica.

É certo que a pandemia irá gerar consequências incalculáveis que não poderão ser tratadas sem o reequilíbrio das avenças com a Administração Pública sendo impetuoso considerar e identificar o impacto e a natureza do serviço.

Por fim, conclui-se que há uma coesão de tratamento das conjecturas de inexecução sem culpa nos contratos administrativos. Havendo a continuidade da prestação do serviço, seja parcial ou superior ao contratado, a revisão contratual será necessária com o objetivo de manter a equação econômico financeira dos contratos administrativos que veiculam facilities.

[/vc_column_text][vc_empty_space height=”36px”][/vc_column][/vc_row]

Preencha o formulário e receba outros conteúdos exclusivos sobre o tema

Prometemos preservar seus dados e não utilizar suas informações para enviar spam.
Consulte a nossa Política de Privacidade e saiba mais.

Leia também

Assista aos vídeos