Entre ganhar dinheiro e mudar o mundo, fique com os dois

Dayana_IMG_8566 - Versão Site

Dayana Dallabrida

Head da área de contratos e estruturação de negócios

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Da equipe de Contratos e Estruturação de Negócios

Os Negócios de Impacto e a crise do Coronavírus

O mercado é sempre palco de grandes transformações em função de sua natureza dinâmica, e dentre elas os especialistas têm observado uma importante mudança: a alteração da direção dos investimentos. Pesquisas mostram que volumes expressivos de capital estão sendo direcionados para negócios envolvidos com ideais de sustentabilidade e benefícios socioambientais, os chamados “negócios de impacto”.

Mas afinal, o que são negócios de impacto? Segundo a Aliança pelos Investimentos e Negócios de Impacto, “são empreendimentos que têm a intenção clara de endereçar um problema socioambiental por meio de sua atividade principal (seja seu produto/serviço e/ou sua forma de operação). Atuam de acordo com a lógica de mercado, com um modelo de negócio que busca retornos financeiros, e se comprometem a medir o impacto que geram”. E, aqui, é importante diferenciar: uma empresa comprometida com práticas sustentáveis e socioambientais positivas, mas que não as tenha em seu DNA, isto é, não as integre em sua missão principal, seus processos de decisão e suas metas de resultado, não é considerada – em geral – um negócio de impacto.

E você deve estar se perguntando: mas isso dá dinheiro? Sim, dá dinheiro. E essa é uma das grandes barreiras que esse tipo de empreendimento vem tendo que enfrentar: a dúvida quanto à viabilidade, riscos e retorno financeiro. Muitos investidores e empresários conservadores se posicionam como céticos diante de um cenário tão inovador, e é muito normal se identificar com esse perfil. Caso isso tenha acontecido com você, vamos ver se não muda de ideia?

No início de 2019, o CEO da BlackRock, maior gestora de ativos do mundo, em sua carta anual aos presidentes das empresas do seu portfólio expôs a ligação direta entre propósito e lucro, afirmando que as empresas que não seguissem requisitos de sustentabilidade – a fim de alcançar um “capitalismo mais sustentável e inclusivo” – não seriam mais apoiadas.

A Corporação Financeira Internacional (IFC) divulgou que, no mesmo período de 5 anos, o Índice de Sustentabilidade Dow Jones apresentou uma média 36,1% melhor que o Índice Dow Jones tradicional. Estudo da Harvard Business School concluiu que “empresas de alta sustentabilidade superam de forma significativa as suas contrapartes a longo prazo, tanto em termos de mercado de ações quanto em desempenho contábil”.

Em suas pesquisas, a americana McKinsey, líder mundial no mercado de consultoria empresarial, afirmou que “a escolha para as empresas hoje não é se, mas como elas devem gerenciar as suas atividades em prol da sustentabilidade”, e o grupo financeiro multinacional Goldman Sachs relatou que “mais capital está focado em modelos de negócio sustentáveis e que o mercado está recompensando líderes e novos operadores de um modo que dificilmente poderia ter sido previsto mesmo 15 anos atrás”.

A verdade é que inúmeras pesquisas de importantes líderes de opinião convergem para a mesma conclusão: usar os negócios como força para o bem é bom para os negócios. E talvez o mais importante a se adicionar a essa constatação, em termos econômicos, seja que o mercado está, cada vez mais, reconhecendo a importância dos negócios de impacto. 

E qual a relação desse cenário com a crise causada pela pandemia de Covid-19?

O que acontece é que os impactos causados pelas medidas de distanciamento social – a quarentena – estão repercutindo na vida do pequeno, do médio e do grande empresário, balançando estruturas de muitas indústrias e do mercado como um todo. O que efetivamente vai acontecer com a economia mundial ainda não se sabe, mas talvez seja esse o momento de uma redefinição permanente nos conceitos de consumo.

Os pesquisadores vêm constatando há anos mudanças no perfil dos consumidores, o que impacta diretamente na indústria e no posicionamento das empresas. Em estudos globais, empresas líderes de opinião, tais como Deloitte e Accenture, apresentam números que deixam clara a tendência das novas gerações de empregados e consumidores em alinhar valores pessoais e corporativos. As necessidades específicas tanto no trabalho quanto no consumo demonstram ser dramaticamente diferentes das gerações anteriores. 

E todas essas mudanças recaem em um só lugar: o mercado. Da indústria da moda à fabricação de carne, seja pela consciência construída por consumidores ou pelas crises econômicas e sociais, a ideia de consumo vem se ressignificando. Digital influencers já afirmam que a crise do Covid19 poderá ser a “mudança de chave” definitiva para uma nova forma de consumir, e um adeus às indústrias como as conhecíamos. E isso, novamente, é resultado tanto da nova consciência de consumo quanto pela ocorrência da atual crise.

Vale lembrar, ainda, a importância de se atentar a empresas com “propósito de fachada”, prática que é referida em inglês como “impact washing”. São empreendimentos que vendem ideais de sustentabilidade e impacto positivo, mas, em meio à crise, rompem com esses princípios; essas empresas não são negócios de impacto. Negócios comprometidos com impacto positivo o são em toda sua atuação: da fabricação do produto ao tratamento com seus funcionários. O impacto social ou ambiental é parte da empresa assim como sua atividade econômica, de forma indissociável.

A fim de facilitar a melhor identificação de empresas com tal propósito, há sistemas de certificação internacional, como por exemplo o Sistema B, que, segundo o New York Times, é “o padrão mais alto para negócios com responsabilidade social”. Estão entre as Empresas B nomes como Ben & Jerry’s, Patagonia, Natura e Dansko.

Há ainda países como a Itália e a Colômbia e estados americanos como Califórnia e Nova Iorque, que possuem legislação que prevê modelos societários específicos para empresas que se enquadrem enquanto empreendimentos de impacto. No Brasil, o debate sobre a criação de uma lei nesse sentido já chegou ao Congresso.
Por fim, a história nos mostra que das crises resultaram mudanças significativas na vida em sociedade: seja o desenvolvimento de uma vacina, seja uma nova forma de investir. E como as pesquisas mostram, é questão de tempo para que os negócios de impacto passem a ditar as regras de mercado. 

Ou talvez não seja questão de tempo. Talvez seja uma questão de agora.

_____

REFERÊNCIAS

BARKI, E.; COMINI, G. M.; TORRES, H. G. Negócios de impacto socioambiental no Brasil : como empreender, financiar e apoiar. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2019.  

HONEYMAN, Ryan. O Manual da Empresa B: Como usar os Negócios como Força para o Bem. Curitiba: Editora Voo, 2017

A área Contratos e Estruturação de Negócios do Vernalha Pereira permanece à disposição para esclarecer sobre este e outros temas de interesse de seus clientes.

Leia também

Assista aos vídeos